Você já participou de World Café?

“O World Café é construído sobre a suposição de que as pessoas já possuem dentro delas a sabedoria e criatividade para confrontar até mesmo os desafios mais difíceis, estimulando cada um a acessar e usar este conhecimento mais profundo sobre o que é mais relevante.”
The World Café Community

20130623-182857.jpg

Quem nunca participou de uma atividade assim pode estranhar na teoria, mas na prática o World Café (Café Diálogo) é muito interessante, leve e divertido. Funciona com formato de diálogo colaborativo que mantém o clima informal e intimista tanto em grupos pequenos quanto nos grandes. E é um modelo especialmente útil quando se tem uma platéia qualificada e em condições igualitárias de dialogar sobre um assunto específico, evoluindo com a troca de ideias que será conduzida de maneira leve e descontraída pelo “facilitador”, um especialista em fluxo de conversação.

Minha primeira experiência com este modelo foi num encontro sobre tecnologia móvel promovido por Edmar Bulla em 2008 e aprendi com o mestre, pois o facilitador era Luiz Algarra, o melhor brasileiro neste papel na atualidade. É do site da empresa dele, a Papagallis, que “copio e colo” as palavras abaixo sobre o formato.

O World Café é uma tecnologia de convivência, um processo, uma comunidade e uma série de valores e técnicas que ajudam pessoas que desejam ser anfitriãs de conversas realmente importantes para um comunidade. Desde 1995, conversações do café acontecem em vários lugares do planeta. Essas conversas são balizadas pelo desejo de mudança e aprendizado e partem do princípio de que é possível modelar nosso futuro e nossa vida através de conversações que realmente importam.

As conversações do café são balizadas por 7 princípios fundamentais, que estão descritos abaixo.

  1. Defina o contexto: esclareça seu proposito: Pergunte-se “Que conversações hoje fariam diferença para nosso futuro ou para determinado assunto explorado hoje?”. Convide as pessoas certas: diversidade no grupo é importante! Visões diferentes produzem resultados criativos e ricos. A intenção do café é enxergar novas possibilidades coletivamente e compartilhar conhecimentos misturando pessoas de diferentes níveis e com diferentes perspectivas. Não há pressão para obtenção resultados imediatos, fazendo com os participantes se sintam mais capazes de compartilhar seus melhores pensamentos sobre determinada questão e gerar ações inovadoras.
  2. Crie um ambiente acolhedor e agradável: pense em maneiras para criar um ambiente acolhedor, agradável, inspirador e convidativo. Flores, comida e música ajudam!
  3. Explore questões que realmente importam: foque em perguntas que despertem a atenção do grupo que aponte os anseios para solução da mesma;
  4. Encoragem a contribuição de todos: Numa mesa com 4 ou 5 pessoas, ninguém pode se esconder. Respeite a individualidade de cada um mas convide todos a participar da conversar.
  5. Faça a polinização cruzada de idéias e as conecte.
  6. Procurem juntos padrões, insights e questões cada vez mais profundas.
  7. Colha e compartilhe idéias com o grupo: isto pode ser feito de várias maneiras, desde a escrita na toalha de mesa ou tento alguém diagramando as conversas em um grande painel na parede. Um grande círculo ou um aquário no final de cada etapa ajuda neste compartilhar de idéias.

O método foi criado em 1995 quase que por acaso por Juanita Brown e David Isaacs, que depois o descreveram no livro “O World Café: Dando forma ao nosso futuro por meio de conversações Significativas e Estratégicas“e de uma série de coincidências o cenário improvisado acabou criando um modelo para realização do World Café, ambientado com mesas para quatro a cinco pessoas, preferencialmente redondas, nas quais comumente se encontram canetas e lápis para desenho sobre uma toalha de papel que sirva para as anotações do grupo.

como fazer um world cafe foto de samegui

Veja o funcionamento segundo a Papagallis:

  • Uma descrição completa de como ser anfitrião de um café pode ser encontrada no livro The World Café de Juanita Brown e David Isaacs, criadores da metodologia.
  • Basicamente, as pessoas são convidadas ao evento para conversar sobre uma questão.
  • O anfitrião do encontro recebe e dá as boas vindas as pessoas e pede para que elas se sentem nas mesas. Geralmente 4 ou 5 pessoas por mesa é um número bom.
  • Mesas redondas e menores são bem interessantes para uma conversação do café
  • O anfitrião fala um pouco sobre o método para aqueles que ainda não conhecem. Em seguida, ele propõe a discussão da primeira questão do encontro.
  • A música ambiente sobe e as conversações começam. os convidados vão anotando nas toalhas coisas interessantes que eles descobrem ou que julgam importante anotar. Eles rabiscam, fazem mapas mentais e diagramas diversos nas mesas.
  • Depois de um certo tempo (de 15 a 30 minutos), o anfitrião pede para que as pessoas troquem de mesas. Neste momento, uma pessoa é escolhida para ficar de anfitriã em cada mesa. Essas pessoas explicam para os outros que irão chegar o que foi conversado naquela mesa até aquele momento.
  • As conversações voltam a acontecer e são construídas a partir do conhecimento já disseminado nas mesas.
  • Algumas rodadas são feitas até que o grupo decide compartilhar em um único grupo os insights pessoais e as desobertas coletivas que fizeram até o momento. Esta etapa do evento pode ser feita através de um grande círculo de conversas ou em um ou mais aquários espalhados pelo salão.
  • Como sugestão, uma pessoa pode ficar encarregada de fazer um relato gráfico daquilo que está sendo colocado no aquário.

papo #vemprarua do Social Good no @youpix não será um debate e sim uma conversa com platéia viva. É no sábado, 06/07, as 11h. Quer participar? Faça sua inscrição no youpix.com.br.

P.S. Buscando uma imagem para explicar o que é World Café (o formato do papo #VemPraRua do Social Good no youPIX), achei esta foto da @aestercarolina do encontro Brasilidade do #vivapositivamente. Saudade desta turma querida!

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook