blogosfera / social good
Dona Neusa Saito é uma das alunas mais queridas do espaço Amigos do Planeta – Inclusão Digital. Ela conta que "Eu comprei um computador e não sabia mexer em nenhuma tecla. Quando surgiu a oportunidade desse projeto, eu vim pra cá. Comecei a aprender a mexer e o medo desapareceu."

Dona Neusa Saito no Amigos do Planeta – Inclusão Digital. Ela conta: "Eu comprei um computador e não sabia mexer em nenhuma tecla. Quando surgiu a oportunidade desse projeto, eu vim pra cá. Comecei a aprender a mexer e o medo desapareceu."

🙂

Quando aceitei o desafio de fazer a curadoria da Blogagem Coletiva da Inclusão Digital, iniciativa do projeto Amigos do Planeta, dentre as muitas coisas que eu queria ver era a inclusão e aproximação de diferentes gerações. Ontem eu estava vendo o Jornal Nacional e vi exatamente o que eu esperava: pessoas da chamada “terceira idade” (posso falar que detesto esta expressão?) aficcionadas em internet como eu. E usando a rede como uma “janela para o mundo”.

E este foi o mote do post escrito por @annyllinha em sua participação na blogagem coletiva:

[As amigas de caminhada] Não estavam interessadas. Uma pena, porque aprender faz parte do estar vivo. Faz com possamos descobrir outras janelas. Principalmente, quando as nossas estão nubladas e sem sol…
Nunca podemos esquecer que aprender faz com que nossos neurônios se espreguicem, façam alongamentos, Pilates, Yoga, e academias para ganhar massa muscular com a musculação…

Anny contava que as amigas de caminhada não se interessam por este mundo que ela aprendeu a gostar tanto – sim, ela bloga, tuita, comenta em outros posts, é uma figura muito ativa nas redes sociais! Só uma das amigas sabe acessar computador, usar celular e outras coisas relacionadas com tecnologia.E ela se diz desapontada. “Não que elas precisem ter um blog, 3 ou 4 celulares, iPods (como a Martha Medeiros), entender e jogar PlayStaytion…Nada disto. Mas saber o básico”. E quando ela diz que o básico é mandar uma mensagem pelo celular, gravar os novos contatos, saber fazer pagamentos em caixas automáticos de bancos… algumas coisas que, eu confesso, aos 67 anos meu pai (que se aposentou em 1993) tem dificuldade de fazer. O celular, que ele sempre troca porque a operadora dá um novo mais moderno com frequência, é apenas um aparelho de telefone sem fio, porque ele disca cada

A matéria  do Jornal Nacional contava que segundo o último levantamento feito pelo IBGE em sete anos o número de lares conectados dobrou. E se primeiro foram os mais jovens que mergulharam na internet, agora chegou a vez dos mais idosos. Aos poucos a parafernália digital vai sendo incorporada ao dia a dia de todas as gerações, apesar da resistência de alguns.

Se você também quer integrar seus “velhos” na tecnologia, faça um plano, equipe-os e convide-os a compartilhar do seu cotidiano em tempo real. Eles poderão entender e aproveitar ainda mais a vida em família vendo as notícias dos filhos e netos pela internet, nos álbuns de fotos digitais, nos blogs, na conversa no MSN. E para quem já está usando o computador, fica a dica de um blog voltado para este público que eu acho muito bom: Tecnologia Outonal. Nele a autora desmistifica em linguagem simples a informática e todos acabamos aprendendo. 🙂

[update] Outro participante da blogagem coletiva relatou um caso em sua família que ilustra perfeitamente o que eu escrevi: @sucessonews contou:

Tive a oportunidade de ver em casa minha avó aprender a mexer em um notebook que meu irmão deu pra ela a um tempo atrás. Hoje ela é uma pessoa mais esperta, inteirada das novidades, se comunica melhor, escreve melhor e ainda por cima se diverte com os joguinhos de baralho que a muito não tinha companhia no mundo offline. A última dela foi fazer a própria inscrição para o ENEM e para o vestibular, via internet. Se isso não for um resultado de sucesso da inclusão digital, eu não sei mais o que seria.”

Perfeito, não é mesmo?

[/update]

Você pode gostar também de ler:
Frequentemente recebo de amigos notícias ligadas ao empreendedorismo jovem. Muitos me mandam com algum recadinho
Taí um encontro que eu adoraria ter presenciado - e espero que um dia a
"O que vai mudar é que o professor que despeja automaticamente os conteúdos será mesmo
"Promover a diversidade significa construir relações de qualidade com pessoas diferentes, sem discriminação, compreendendo as
Li há alguns dias dados de uma pesquisa que mostrava que mais de 50% dos
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas