a vida quer

Foi a frase que me passou pela cabeça. Ando voltando à minha dieta mais naturalista (vegetariana, meio macrobiótica, da adolescência, alterada por um “pedido” do meu namorado -hoje meu marido- sulista) por conta do programa Você é o que você come que apresentei à minha mãe para ajudá-la com a diabetes e acabou me levando junto! (risos).
Comida não tem muito a ver  com leitura, dirão alguns? Quem sabe? Um dos livros incríveis que comprei em 2006 na Bienal do Livro (não, foi no dia dos pais) foi História do Mundo em Seis Copos (Como seis bebidas mudaram a humanidade). Não é papo de bar, três das bebidas não são alcoólicas – café, chá e coca-cola- mas daria bons papos de bar, aliás, já me deu momentos agradáveis com o Gui, meu melhor companheiro para divagações de filosofia, sociologia, história. Quer melhor papo de bar que este? E melhor companhia?
Mas comecei a falar de leitura porque hoje na newsletter do Digestivo Cultural tinha uma chamadinha que gostei e cliquei. Só depois vi que era da Ana Elisa Ribeiro. Cliquei porque dizia: “Sou uma leitora obsessiva, como já disse. Leio desde criança, muito, livrões e livrinhos“… na hora, me vi, que espelho engraçado! O texto não é um espelho (e eu não sou tão narcisista assim), apesar de eu me encaixar em vários momentos do que a linguista escreve. Realmente li muito e estou formando dois leitores que, como eu, se encaixariam na fotocrônica do texto: “bom leitor é aquele que lê o que vê pela frente”. Enzo já me cansa com suas leituras – até o fim – de tudo, caixa de gelatina, capa de revista e haja livros e revistas. Aliás, aprendi uma palavra nova hoje que vou usar, porque é uma coisa que eu tenho e até organizada:
he.me.ro.te.ca
(gr hémera+teca) sf 1 Conjunto de revistas, jornais e outras publicações periódicas (para estudo ou consulta). 2 Lugar onde se arquivam essas publicações.
Gostei! E juro que nunca tinha escutado. Ainda bem que tenho o bom hábito de usar o dicionário e este ano Enzo ganhou com o dele (criança de 6 anos já leva dicionário para escola hoje em dia, pode?) um Cd que instalei no computador, uma mão na roda para quem trabalha com as palavras!
Mas a Ana Elisa falava sobre o que alguns amigos dela estavam lendo no final do ano, traçando um perfil de acordo com as preferências de leitura, profissão, quantidade de livros lida no ano que findava (2006). Aí entra meu você é o que você lê?
Não sei responder, assim como não seria capaz de contar aqui, rapidamente, tudo que li em 2006. No mínimo foram mais de 25 livros (fora os meus profissionais, que, no meu caso, são boa literatura infantil, graças a Deus, e alguns de educação e auto-ajuda para pais). Lembro que depois da Bienal li Danuza Leão e Rui Castro, que ganhei O Caçador de Pipas de dia dos namorados (meu marido sabe mesmo me agradar), como o amigo dela li Cavalo de Tróia, mas não lembro se foi em dezembro ou janeiro… não sei mais dizer, li muito, mas não foi nada diferente de outros anos da minha vida. Li coisas como Musashi e O Senhor dos Anéis com os meninos bebês e tem gente que diz que não consegue ler por conta dos filhos. Enzo ouvia aventuras do Frodo com 2 anos, sabe muito do Musashi (quando ele começa a “perder o controle de si” eu o chamo de Takezo, para trazer Musashi à tona) e já lemos alguns clássicos no original, em inglês ou francês. Ah, outro livro do primeiro semestre de 2006 foi Charlie and the chocolate factory, que nos fez ficar ansiosos por outros livros do Dahl. Realismo fantástico não é mesmo maravilhoso para as crianças expandirem seus horizontes?
Enfim, vou trabalhar e deixo aqui a frase do Ministério da Educação e Cultura (era assim o nome antigamente?)

Ler faz bem. Ler é saber. Leia, leia, leia mais.

Você pode gostar também de ler:
  Killa P. deu a letra, Patti Cake$ eu fui ver. Um filme irado, é
Photo by Heidi Sandstrom. on Unsplash Primeiro post da segunda metade
Hoje estava lendo num do facebook, o pessoal tirando um sarro de uma entrevista da
Muita gente se pergunta...afinal faz sentido usar um protetor térmico toda a vez que uso
A nova modinha entre as vlogueiras de Beleza gringas são 100 camadas de alguma coisa,
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas