cidadania / destaque / relacionamentos

  
Você é contra ou a favor da redução da maioridade penal?

Eu sou contra.

  
E concordo com os argumentos do vereador Ari Friedenbach, que perdeu a filha num crime cometido por menor infrator:

– A gente vai deslocar esse drama do jovem que hoje é cooptado com 16, 17 anos. Vão começar a cooptar jovens de 14, 15 anos para cometer os mesmos crimes ou assumir os crimes

  
– A gente vai colocar o jovem que comete um pequeno ato infracional numa cadeia, que não está recuperando ninguém, muito pelo contrário. Ou seja, tira qualquer possibilidade de ressocialização desse jovem

  
– Apesar de se opor à redução da maioridade, ele defende a responsabilização criminal de adolescentes que cometem homicídio, latrocínio, estupro, sequestro e roubo

  

– Pela proposta, o menor condenado por um dos crimes acima deveria ficar internado até os 18 anos em uma instituição de ressocialização de infratores, como a Fundação Casa de São Paulo. Aos 18, seria transferido para o sistema prisional. O fato de o crime ter sido cometido na adolescência poderia servir como atenuante e reduzir a pena

  

E como ficaram os criminosos que mataram a filha de Friedenbach?

  

Liana Friedenbach tinha 16 anos quando foi acampar com o namorado Felipe Caffé, que tinha 19 anos, em Embu Guaçu, na Grande São Paulo, em novembro de 2003. O casal foi sequestrado por Champinha e quatro adultos. Caffé foi morto a tiros por Paulo César da Silva Marques, o Pernambuco. Liana foi estuprada e morta por Champinha. Todos foram condenados. A pena mais alta chegou a 124 anos de prisão.

O menor, condenado cono autor do crime (apesar de estar com 4 adultos!), cumpriu pena mas está internado desde 2007. A justiça determinou que ele tem problemas mentais e não possui condições de viver em sociedade. 

  

A verdade é que se a pessoa tem problemas assim, não importa se é menor ou não, concordam? Por isso precisamos voltar os esforços da sociedade para acompanhar os cidadãos e protegê-los de fato, não só na teoria (de mudanças na lei) e sim na prática (com boas condições sanitárias nos lares e escolas inclusive na periferia, com valorização da educação, com um bom corpo clínico para acompanhar como um todo as famílias nas unidades básicas de saúde, com oportunidades de trabalho e lazer espalhadas pela cidade). 

The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Latest posts by Sam @samegui Shiraishi (see all)


Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas