Porque gosto da Vivienne Westwood

vivienne-westwood-wild-beauty-ai-20_asp10154img1

Uma manhã offline me deixa com trabalho acumulado para fazer por dias. Ontem um amigo me falava a mesma coisa e comecei a pensar no quanto nos enchemos de afazeres com a vida online, porque ela poupa tempo e acabamos inventando o que fazer com o tempo ocioso. No final, ficamos tão sobrecarregados que não sobra nada!

A manhã offline com os técnicos da virtua mudando meu ponto de internet fixa foi relativamente proveitosa. Como eles não conseguiram instalar o software do modem da motorola (aquele padrãozinho da virtua) no meu notebook que usa Vista (pedi para instalarem, mesmo eu usando no desktop e deixando o notebook para a rede wi-fi), falaram que logo viria um supervisor para vir arrumar – o cara não veio, quem arrumou fui eu mesma!

Mas enquanto eu esperava, inventei o que fazer. Arrumei as estantes de livros (como temos livros, benza Deus!) enquanto ouvia o noticiario e depois eu vi uma reprise de entrevista inusitada e que me fez rever preconceitos (adoro quando isso acontece): Vivienne Westwood falava sobre moda, afirmava várias vezes que nunca gostou de ser estilista, elogiava Yves Saint Laurent e dizia que trabalha pensando “quero acabar longo isso para poder ler meu livro“. Impossível não se identificar com a simplicidade e a naturalidade dela. E eu admito que nunca tinha prestado a menor atenção nos conceitos que ela passa nas suas coleções, da mulher muito feminina e de uma certa crítica política, que ela garante que é basicamente da idéia de que a cultura pode mudar o mundo. Na entrevista ela usava um broche incrível que tinha Rembrandt de boina de Che Guevara, numa alusão a uma revolução cultural. Amei, mas o que me chamou mais atenção foi sua defesa da idéia de que atualmente compramos muito e a sugestão de que, ao invés de sairmos todo final de semana para fazermos compras e assim preencher nosso vazio existencial, fiquemos em casa lendo um livro! Que tal?

 
Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook