entretenimento

violas de bronze  siba e roberto correa

Fui convidada pela assessoria dos musicistas Siba e Roberto Corrêa para conversar sobre o projeto Violas de Bronze nesta terça-feira, às 11h, via skype (os interessados devem fazer contato com a assessoria aqui). Achei a ação tão diferente que merecia ser citada aqui para outros blogueiros participarem. E eles são retrato da nova geração de artistas que não dispensa as redes sociais: MyspaceTwitterFlickrFacebookOrkut.

Especialistas em novas apresentações com rabeca e violas, Siba e Roberto estarão no Auditório do Ibirapuera (Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 2 do Parque do Ibirapuera), no dia 27/11, para show do Violas de Bronze. No repertório, as músicas do cd homônimo que lançaram no início do ano, com composições dos dois músicos, interpretadas nas violas caipira, de cocho e nordestina, e na rabeca.

Rabeca e viola são instrumentos que foram introduzidos no Brasil desde a colonização, e tem ampla utilização nas tradições populares em todo o território brasileiro. Encontrados juntos em diversos conjuntos musicais e folguedos, sua presença na música popular brasileira urbana tem, no entanto, história mais ou menos recente e desenvolvimento independente.

Enquanto a viola acompanhou a ascensão da música caipira no centro-oeste e sudeste e alcançou um público cada vez maior, a rabeca continuou restrita aos folguedos populares rurais, só começando a ser utilizada fora de seu ambiente original nos anos setenta.

Recentemente a rabeca e a viola mais uma vez tiveram sua área de influência expandida através do trabalho inovador de uma nova geração que, a partir dos anos noventa, conseguiu, baseada na ligação profunda com suas respectivas tradições regionais, abrir caminho para novos horizontes de utilização destes instrumentos.

Você pode gostar também de ler:
Outro dia comentei que um apartamento em São Paulo será cenário de um dos episódios da
“Devido à natureza do mundo em que vivemos, nossas crianças passam por uma carga pesada
Um dos filmes do #cinemaemcasa do nosso feriado foi o dinamarquês "Você desapareceu" (Du forsvinder). Escolhido
O documentário Pagliacci, sobre os palhaços Fê e Duma (da Companhia La Mínima) e sobre
O cineasta Rafael Primot juntou um elenco incrível pra contar histórias de amor. Com Maria Luisa
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas