cultura web

Um hábito do meu círculo profissional é classificar como pérolas o que é muito idiota, ignóbil, absurdo.  No entanto, contraponho isso a uma expressão muito usada por minha mãe, a de “jogar pérolas aos porcos”. Hoje li no @inagaki um trecho que me fez pensar nisso:

“Há um provérbio francês que afirma: “No mundo dos espertos, quem anda voa”. Prefiro contrapô-lo a um outro, de origem hindu, que diz: “O bem que se faz na véspera torna-se felicidade no dia seguinte“. Que assim seja.”

Prefiro sinceramente pensar que, ao realizar um trabalho sério, honesto e com princípios (em qualquer área, mas vamos pensar que seja na mídia social onde estou inserida agora), vou colher bons frutos por merecimento. Há quem pense e afirme que convites para eventos e para trabalhos é simplesmente fruto de Q.I. (quem indica), mas eu prefiro pensar que o Q.I. (que é importante e agradeço aos amigos ou empresários que apostam no meu trabalho e me indicam) abre portas, mas o que nos mantém dentro é nossa competência.

“Quem não tem competência não se estabelece”, diz outro dito popular. O mercado de mídias sociais é um dos mais rápidos que conheci profissionalmente, lembrando demais a insana área de publicidade de showbizz na capacidade de levantar e derrubar nomes. Estou inserida nele há exatamente um ano, quando ingressei no seleto grupo dos blogueiros que compunham o Nossa Via. De lá para cá, recebi vários convites de trabalho, saí do Desabafo de Mãe (onde voluntariei por um ano e meio e conheci a blogosfera materna e parte importante da feminina do Brasil), passei a ser figura constante dos eventos de Café.com Blog, ministrei um treinamento para a redação da revista PEGN na editora Globo e agora estou à frente da editoria de blogs externos do portal M de Mulher.

Além disso, dos mal-vistos publieditoriais, minha parceria com agências de mídia online evoluíram (continuam firmes com Riot, Pólvora, Cubo e Garage) e passei a coordenar ações nas redes de blogueiros com as quais eu me identifico, desmistificando este mercado para empresas grandes que temem que sua imagem online seja negativamente exposta se linkada aos blogs. Aqui entra o link do meu trabalho atual com a frase que @inagaki citou. O bem que se faz na véspera torna-se a felicidade no dia seguinte. Tenho apresentado tantos editores de blogs fantásticos e desconhecidos (como eu era, até ter o Q.I.) para o mercado que me deixa feliz ver como o ambiente de mídia social está se tornando plural, aberto, verdadeiro. E mais ainda por ver que a blogosfera feminina, de quem me considero representante com este meu diário-de-tudo-um-pouco-miguxo-e-caótico passa a ser considerada uma fatia interessante do mercado.

Espero que, mesmo com o boom de blogs que imaginamos que acontecerá em 2009 com o personagem Indra (blogueiro de O Caminho das Índias) e com a constelação de blogueiros famosos que temos atualmente, não esqueçamos que blog é, acima de tudo, chance de conversar e de conhecer pontos de vista, porque é pessoal e intransferível.

P. S. Comentário de fã: não conhecia o Inagaki pessoalmente, só por telefone e e-mail. Ele e Rosana Hermann me mostraram porque são tão famosos e absurdamente queridos pelos leitores, são pessoas simples, afáveis e (em especial ela, representante do mundo feminino) sempre abertas a trocas de idéias. 🙂

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas