Vacinar meninas contra o HPV será a solução? #vacinaHPV

20140123-173906.jpg

(Eu não sou profissional de saúde, mas, como comunicadora, estarei nesta tarde, a partir das 17h30, no Blog da Saúde.)

Estimativa da Organização Mundial da Saúde aponta que 290 milhões de mulheres no mundo são portadoras de HPV (Papiloma Vírus Humano ), vírus responsável por boa parte dos casos de câncer de colo de útero. Estimativas dão conta de que 270 mil mulheres, no mundo, morrem devido à doença. No Brasil o Instituto Nacional do Câncer informa dados que entristecem: 15 mil novos casos e cerca de 4.800 óbitos. Cerca de 685 mil pessoas são infectadas pelo HPV a cada ano no Brasil.

Este assunto não é novidade para as mulheres que têm vida sexual ativa e há décadas quem está na faixa etária dos 25 aos 64 anos recebe recomendação para fazer anualmente o exame preventivo, o Papanicolau, para detectar sinais do câncer cervical (de colo de útero).

A questão é que este tipo de câncer demora muitos anos para se desenvolver e a infecção pelo papilomavírus humano, o HPV, com alguns subtipos de alto risco são relacionadas a tumores malignos

Aqui entra a polêmica da vacinação infantil para conter o vírus antes que as meninas iniciem a vida sexual.

Explicando:

A vacina contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), usada na prevenção do câncer de colo do útero,  já estava disponível na rede privada (ao custo médio de R$ 300 a dose), mas a partir de 10/03/2014 passa a ser ofertada no Sistema Único de Saúde (SUS) para meninas de 11 a 13 anos.

Além de envolver crianças, a estratégia de vacinação envolverá mais do que as unidades de saúde do SUS, ela acontecerá também nas escolas públicas.  A meta do Ministério da Saúde será cobrir pelo menos 80% do público-alvo, estimado em 3,3 milhões de meninas (na faixa etária entre 10 e 13 anos) para garantir que estejam imunizadas antes do início de qualquer tipo de atividade sexual.

Sou mãe de menina há poucos meses, não sei como reagiria à ideia de que minha filha de apenas 10 anos fosse imunizada numa preparação para sua vida sexual, mas estou tentando entender isso sob o ponto de vista da medicina preventiva, como no caso da circuncisão dos meninos, que teve tanto sentido por muitos séculos para prevenir doenças masculinas.

O que me faz pensar no assunto com menos preconceito é saber que o vírus do HPV pode ser transmitido por diversas formas de contato íntimo, mesmo sem que haja uma relação sexual de fato. E adolescentes fazem muitas experiências antes de “chegar às vias de fato”. Além disso, conversando sobre o tema com uma colega que trabalha em Unidade Básica de Saúde (UBS, os postos de saúde mantidos pelo SUS), ouvi relatos de que a iniciação sexual se dá mesmo muito cedo atualmente e que a idade seria adequada.

É o terceiro tumor mais frequente na população feminina, atrás do câncer de mama e do colorretal, e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. Prova de que o país avançou na sua capacidade de realizar diagnóstico precoce é que na década de 1990, 70% dos casos diagnosticados eram da doença invasiva. Ou seja: o estágio mais agressivo da doença. Atualmente 44% dos casos são de lesão precursora do câncer, chamada in situ. Esse tipo de lesão é localizada. Mulheres diagnosticadas precocemente, se tratadas adequadamente, têm praticamente 100% de chance de cura.

entenda o virus hpv

A vacina não substitui a realização do exame preventivo e nem o uso do preservativo nas relações sexuais. É um vírus transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Também pode ser transmitido da mãe para filho no momento do parto.

Muita gente se posiciona contra a vacina, como mostra o update que incorporo abaixo no post:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook