Usar earphones por mais de meia hora pode causar surdez precoce

“Na última década o número de jovens americanos com problemas de audição aumentou 31%. No Brasil, os médicos também se preocupam com a audição dos jovens e acreditam que o maior vilão da possível “surdez precoce” seja o fone de ouvido.”

Usar earphones por mais de meia hora pode causar surdez precoce - post de hoje no @avidaquer

Li matéria sobre o tema há alguns anos, creio que numa revista semanal conceituada – infelizmente não achei a notícia para linkar aqui – de que vários roqueiros manifestam surdez precoce em virtude da combinação de som muito alto e fones de ouvido. Na época, Enzo, ganhara há pouco seu ipod shuffle e #aos6 ficava para cima e para baixo ouvindo música sozinho… fiquei tão preocupada que compramos um aparelhinho de som portátil para ele (um que depois demos de “herança” para C.J., filho da @blogdati) e o convencemos a ouvir sua setlist do iPod com amplificadores.

O tema veio à baila porque duas mães do Facebook comentaram que suas crianças dormem muito melhor com música do que depois de ouvir histórias ou outra atividade assim. Na hora eu concordei porque realmente ouvir música faz muito bem, mas, talvez por ter dois filhos que dividem o quarto, nem pensei que eles ouviriam sozinhos. Atualmente vivemos uma customização tão grande que nos leva à individualização de tudo: apesar de contarmos com walkman (eu ganhei o meu com 11 anos), eu acostumei a ouvir música no quarto com minha irmã, a gente tinha que concordar sobre qual LP ou fita cassete ouvir, mas hoje as crianças podem escolher e colocar sua setlist direto no iPod ou celular, criando um espaço próprio no meio da confusão familiar.

Segundo o médico Marcos Sarvat, da Câmara Técnica de Otorrinolaringologia do Cremerj, ouvir música no fone de ouvido pequeno (o earphone) equivale a se expor em ambientes ruidosos. E o resultado é que ao longo do tempo, esses pacientes começam a ouvir e entender mal o que as pessoas falam ao seu redor. Também é muito comum se incomodar com ruídos que antes não percebiam direito.

“Na maioria dos casos, a perda auditiva se manifesta progressivamente e, apesar de no início ser difícil o indivíduo perceber e se conscientizar de sua deficiência, é importante que ele procure um médico para fazer testes e exames que detectem a intensidade do problema. “Além das lesões do aparelho auditivo, a poluição sonora causa distúrbios psíquicos levando a irritabilidade e depressão, distúrbios do sono e hipertensão arterial.”

E quando a gente deve se preocupar? Quando você:

  • Ouve, mas não entende;
  • Fala alto ou baixo e não percebe que o faz;
  • Escuta um zumbido constante no ouvido;
  • Tem dificuldade para conversar em lugares barulhentos ou se comunica melhor nesses ambientes;
  • Pede para repetirem o que lhe é dito, com freqüência;
  • Tem se isolado das pessoas e evita conversar por causa da dificuldade de ouvir ou compreender o que é dito;
  • Tem dificuldade para ouvir toques de telefone ou campainha.

E como evitar? Segundo li, cuidados simples podem evitar a perda de audição:

  • Fique atento caso a criança peça para repetir uma pergunta muitas vezes ou se ela demonstrar dificuldade de entender a fala;
  • Faça um teste audiológico pelo menos a cada 5 anos. Idosos e crianças com menos de 3 anos devem fazer um teste auditivo todos os anos;
  • Evite locais muito ruidosos que exijam elevação do seu volume de voz;
  • Evite ouvir música em volume muito alto;
  • Use protetores auditivos sempre que frequentar ambientes com barulhos extremos (shows, festas, casas noturnas, estádios etc.);
  • Não durma com a TV ou rádio ligados;
  • Sempre que possível, descanse sua audição por 10 minutos num local mais silencioso;
  • Não pingue remédios ou fórmulas caseiras dentro do ouvido sem indicação médica;
  • Não utilize objetos pontiagudos como palitos, grampos e lápis para limpar a orelha. Eles podem machucar o tímpano. O cotonete deve ser usado para limpar somente a parte externa da orelha.
Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook