Unretirement – aplique seus rendimentos em si mesmo!

Você encararia nunca se aposentar?

A ideia é simples e cabe perfeitamente no pensar fora da caixa que algumas pessoas da minha geração fazem e os mais jovens pensam seriamente em fazer: não parar.

Eu sempre digo que vou viver bem até mais de 100 anos e até lá, como saberei quantas carreiras e funções eu desempenharei? Fiz técnico de edificações, antes do jornalismo pensei em ser restauranteur ou ter um atelier de costura, trabalhei como repórter e diagramadora, estou tecedora de redes agora, no futuro, quem saberá?

Em seu novo livro, “Unretirement” (Editora Bloomsburry), Chris Farrell afirma que o desenvolvimento de habilidades que possam ajudar você a ter uma renda depois da idade tradicional de aposentadoria oferece um retorno melhor sobre o investimento do que qualquer instrumento financeiro – e isso pode ajudar a transformar a economia americana, no momento em que ela continua se recuperando da Grande Recessão.

Nem li o livro (ainda), mas o nome já me deixou curiosa e naturalmente atraída!

Colaborador sênior da área de economia na rádio pública ” Marketplace ” e editor-colaborador da ” Bloomberg BusinessWeek “, além de colunista do jornal ” The Minneapolis Star Tribune “, Farrell falou a uma publicação sobre o livro e sua visão de “não aposentadoria” e replico a tradução aqui:

Como o senhor define “não aposentadoria”?

Chris Farrell: “Não aposentadoria” diz respeito ao impacto financeiro de se trabalhar mais. Se você pode continuar trabalhando com bem mais de 60 anos mesmo ganhando uma renda menor com um trabalho de meio período, você conseguirá mais no período de um ano do que ganharia com a previdência. Isso muda o quadro final – e não só a renda. Você não precisa usar seu pé-de-meia durante esses anos e poderá aumentá-lo. E você também poderá esperar de maneira realista para reivindicar a Previdência Social quando tiver entre 66 e 70 anos, dependendo de sua saúde e das circunstâncias pessoais.

IMG_0063.JPG

Quais as ferramentas e estratégias essenciais para as pessoas que tentam descobrir como não se aposentar? Por onde devem começar?

Farrell: A coisa mais importante é começar perguntando a si mesmo o que você gostaria de fazer – que tipo de trabalho. Faça consultas informais com as pessoas. O verdadeiro ativo que os trabalhadores mais velhos têm são suas redes de contatos – as pessoas que eles vão conhecendo ao longo dos anos. Converse com essas pessoas para saber se você precisa desenvolver novas habilidades. Não romanceie nenhuma ideia em particular, pesquise. Pense como você poderá aproveitar as habilidades que tem hoje e mudar para um setor diferente da economia com elas.

Um dos maiores obstáculos que os trabalhadores mais velhos enfrentam é o fator idade. Os empregadores estão se adaptando para ajudar as pessoas mais idosas a trabalharem por mais tempo?

Farrell: A única evidência que tenho visto disso está nas companhias que enfrentam mercados de trabalho muito apertados – geralmente as empresas de tecnologia. Isto também vale para a profissão de enfermagem. Para o resto da economia, tenho estado em muitas conferências voltadas para os trabalhadores mais velhos, em que os empregadores mostram que se importam com a perda de trabalhadores mais experientes. Eles são sinceros, mas quando voltam para o escritório realmente não têm motivação para fazer qualquer coisa a respeito porque o mercado de trabalho não é vigoroso o suficiente.

Se este é o caso, como a não aposentadoria conseguirá se firmar como tendência?

Farrell: A economia está melhorando e os mercados de trabalho estão se fortalecendo. Mas isso também será motivado por mudanças de base. Muitos “baby boomers”, geração nascida entre 1946 e 1964, com conhecimentos de ponta estão negociando seus próprios acordos, começando empresas ou partindo para o autoemprego com uma série de empregos de meio período. É algo muito do tipo faça você mesmo. Além disso, as atitudes estão mudando – haverá uma pressão enorme da sociedade à medida que as pessoas forem partindo para isso. Elas vão dizer: “Temos boa educação e estamos mais saudáveis hoje do que antes, e os números não mostram que devemos nos aposentar e mudar para a Flórida ou o Arizona – que é um coisa que na verdade não queremos fazer”.

Uma grande discussão está ocorrendo sobre estarmos ou não a caminho de uma crise na previdência social. Qual é a sua opinião?

Farrell: Não acredito que haverá uma crise na previdência se continuarmos trabalhando por mais tempo. Mas vamos querer fazer isso com empregos que façam sentido, e não aqueles que tornam as pessoas tão miseráveis a ponto de elas terem de continuar trabalhando. Uma coisa que me deixa irritado é que temos uma combinação de estresses financeiros que se abatem sobre a classe média, e finge-se que a classe média ficará na pobreza na aposentadoria, e isso não é verdade. Há um grupo realmente vulnerável – eles trabalharam a vida toda para empresas que não proporcionam benefícios de aposentadoria ou seguro saúde. Este é de fato o grupo vulnerável. Acredito que dois terços de nossa sociedade ficarão bem, mas para esse outro grupo, não se trata de investir em um plano 401(k), uma vez que as pessoas simplesmente não têm dinheiro. Para elas, a Previdência Social será o único plano de aposentadoria.

Isso sugere que teremos que reforçar a Previdência Social, pelo menos para os aposentados de rendas mais baixas?

Farrell: Definitivamente. Se uma maioria de nós é saudável e vai continuar trabalhando e, desse modo, pagando a Previdência Social, nos tornaremos uma sociedade mais rica – e poderemos ser mais generosos com a Previdência Social.

unretirement-cover-image

(Tradução de Mario Zamarian)

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.