destaque / educação

Delicia 18

Imaginem a cena:

Uma dona de casa faz trabalhos informais como salgadeira (aquela vizinha que faz salgadinhos e você encomenda quando tem uma festinha em casa!) e recebe uma encomenda enorme. Ela trabalha sozinha, portanto, não tem funcionários para ajudar. Como poderá atender ao pedido? O jeito é pedir ajuda para a família!

Daí a menina que tinha que estudar para a prova de matemática ou que ia treinar vôlei à tarde acaba abrindo mão de seus compromissos para ajudar a mãe. Resultado: fica cansada, não aguenta estudar, falta mais do que podia no projeto e perde a vaga, enfim, um ciclo que parece sem fim.

É assim, de caso em caso, que o trabalho doméstico invisível se perpetua nos lares e a gente acaba não só não vendo nem podendo ajudar a mudar, mas até financia esta prática.

Muitas vezes contar com a ajuda dos filhos é a saída para pais que não tiveram a chance de uma escolaridade completa e, por isso, optam por complementar a renda por meio da mão de obra infantil e adolescente desprotegida. Cada vez mais salgadeiras, costureiras, montadores de bijuterias e outros profissionais que trabalham em casa expõem as crianças ao trabalho infantil.

Infelizmente, é um ciclo vicioso. Os pais com baixa escolaridade expõem seus filhos ao trabalho desprotegido e, assim, fazem aumentar as chances de estes abandonarem a escola ou terem pior desempenho. Com isso, comprometem suas possibilidades e renda futuras, provocando a repetição da mesma história de exploração do trabalho infantil nas gerações seguintes.

É da nossa conta compartilhar esse problema invisível com a sociedade!

1175438_709794162368042_1425467183_n

Clique neste link e opine sobre o tema!

O que fazer para diminuir essa evasão escolar e, por consequência, erradicar as situações de busca de renda informal com base em trabalho infantil e adolescente desprotegido?

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas