mãe

Giorgio teve esta curiosidade assim que viu notícias dos jogos em Vancouver – aliás, programação que a SportTV e a Record transmitem há alguns dias, salvando quem não é assim tão fã de carnaval de ficar sem ter o que ver na TV. Nós conhecemos pessoalmente um atleta profissional de esporte de inverno, um paulista que competia no bobsled (aquele no qual  o trenó, para 2 ou 4 pessoas, é movido pela gravidade nas descidas). E dele eu soube, há um tempo, do trabalho da Confederação Brasileira de Desportos no Gelo, que está envolvida com a delegação brasileira dos jogos de Vancouver.

Estão lá nos representando a snowboarder Isabel Clark (que foi porta-bandeira da delegação do Brasil) , os atletas de esqui alpino Jhonatan Longhi e Maya Harrisson, os atletas de esqui cross country Leandro Ribela e Jaqueline Mourão (já na sua quarta Olimpíada, mas uma desconhecida dos brasileiros).

Há muitas questões sociais e políticas envolvendo os esportes olímpicos brasileiros, mais ainda quanto aos que são menos populares, como os de inverno. Mas prefiro focar aqui outro ponto: a existência destes atletas e a oportunidade das transmissões de jogos olímpicos pode ser a chance de pais e filhos conversarem sobre as diferenças culturais, geográficas e históricas entre os países, criando chances de aprendizado lúdico para as crianças.

Eu tentei fazer este bate-papo com meu filho de 7 anos e acabei aprendendo, acreditam? Ele sabia absolutamente tudo dos esportes das competições de Vancouver graças a um game, Mario e Sonic nas Olimpiadas de Inverno de Vancouver. Fiquei impressionada com a absorção das regras e das jogadas do hoquei, dos saltos e rodopios da patinação, enfim, de tudo que ele sabia sobre os jogos que eu pouco conheço. Finalmente achei as músicas do Super Mario menos chatas… descobri que elas ensinam!

Você pode gostar também de ler:
  Esse texto é para você, que assistiu o filme e está fritando para ler
Aziz e Fatima Ansari em Master of None No mês das
A gravidez na adolescência teve uma queda de 17% no Brasil segundo dados preliminares do
Estudo comprova que a necessidade evolutiva de proteger o bebê expande habilidades das mães Uma
Ali Wong - Baby cobra Nesse final de semana vi "Ali
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas