destaque / educação / sororidade

viuva negra

Eu tenho uma Vampira, uma Arween e uma Viúva Negra. São bonecas pequenas, mas às vezes até viajam na minha bolsa porque, como são “da mamãe”, os filhotes acham que podem me fazer companhia se estou sozinha.

Na realidade tenho sorte pois ganhei as personagens do meu irmão, que é doido por quadrinhos, pois a oferta de heroínas é quase insignificante se comparada à de heróis. Boneca para menina é “filhinha” (bebê) ou Barbie/Princesa, raramente achamos alguma que saia destes esteriótipos. E tem sentido: as meninas continuam gostando de bonecas, fogõezinhos e panelinhas, assim como de princesas de vestidos cor-de-rosa – minha filha e 2 anos naturalmente gosta destes brinquedos, apesar de ter acesso a muitos outros considerados do gênero masculino, como fantasia de Superman, escudo de gladiador romano e dinossauros.

O fato é que se a nova geração praticamente já nasce tendo consciência sobre a importância da igualdade de gêneros, a gente gostaria que cada vez mais as meninas tivessem esta percepção de si como seres que podem se interessar por tudo. Inclusive heroínas.

Soube que a Mattel (criadora da Barbie) está lançando uma linha de bonecas heroínas e vilãs da DC Comics: Batgirl, Supergirl, Mulher Maravilha, Hera Venenosa, Harley Quinn e Bumblebee.

bonecas_destaque1

Segundo informações oficiais, os pesquisadores da empresa descobriram que as meninas não queriam que as super-heroínas fossem muito femininas, característica apresentada pela primeira rodada de bonecas que a Mattel desenvolveu – meninas que pareciam mulheres turbinadas com silicone e corpos pouco afeitos às atividades físicas que uma heroína exige. Surgiram coisas engraçadas: uma menina se queixou de que os brinquedos pareciam “mais bonitos do que um super-herói” e outra apontou que o lenço da Hera Venenosa só iria atrapalhá-la durante uma luta, e a Mulher Maravilha foi considerada muito magra e não muito atlética.

Uma série original Netflix traz este conceito de uma forma mais atual, com roupagem moderna e meninas reais.

Em Project Mc², a espiã adolescente McKeyla e outras três garotas super-inteligentes se tornam agentes secretas que usam o poder da tecnologia e da ciência para salvar o dia. Os nomes das personagens foram inspirados em símbolos químicos: McKeyla McAlister (Mc2), Adrienne Attoms (A2), Bryden Bandweth (B2) and Camryn Coyle (C2). O objetivo do projeto cujo slogan é ‘Smart is the new cool’, é mostrar às meninas que essas carreiras não são exclusividade do universo masculino, e que podem e devem ser almejadas por elas.

Netflix-Original-Project-Mc2-Horizontal-Display-Art-FINAL

Lembra Pequenos Espiões e claro que é cheio de clichês tecnológicos e sonhos infantis, mas o fato é que nesta série as meninas nerds não são precisam ser feias nem excluídas, podem só ser “estranhas” em turma. (risos).  Minha filha é pequena demais para ver e entender, mas eu daria para ela as bonecas das meninas que combatem o mal usando seus conhecimentos científicos e tecnológicos.

interna_bonecas

 

 

 

O legal é que projetos assim combatem padrões equivocados. E a gente tem que começar cedo, permitindo que as meninas tenham bonecas temáticas com profissões nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

boneca-barbie-profissoes-barbie-cientista-365101-MLB20277224815_042015-F

Minha filha ganhou sua primeira Barbie no aniversário de 2 anos e olhem só, é uma cientista. Veio com jaleco branco, óculos de se usar em laboratório e um microscópio. E como ela agora já brinca de legos, estamos de olho nas personagens cientistas para brincar de paleontóloga, engenheira química e tudo mais que vier à mente!

lego menina palentologa61bwhBTyriL._SL1001_

🙂

 

Você acha tudo isso uma balela e uma conversa sem sentido?

Pois saiba que ainda falta muito para o sexo feminino ter espaço no mundo da ciência. As feministas, cientistas ou não, execraram a declaração do ganhador do Prêmio Nobel de Química de 2001, Tim Hunt, de que mulheres são motivo de distração nos laboratórios. Esse tipo a gente precisa pensar seriamente em marginalizar, para evitar que ele passe para frente suas ideias preconceituosas e misóginas!

Cash Cayen é uma canadense de 9 anos que só queria participar de um curso de robótica oferecido pela biblioteca pública de Timmins, Ontário, mas ao tentar fazer sua inscrição, foi proibida. A resposta: o programa era apenas para meninos. Inconformada, ela criou uma petição no site Change.org na última quarta-feira e já conseguiu 31 mil apoiadores. Dois dias depois, a Timmins Public Library reverteu sua medida e abriu as classes para todas as crianças entre 9 e 12 anos.

E precisamos valorizar muito meninas como Cash Cayen,  uma canadense de apenas 9 anos, que, ao tentar fazer uma inscrição para o curso de robótica ministrado por uma biblioteca, descobriu que o programa era apenas para meninos. Ela criou um abaixo-assinado, conseguiu milhares de assinatura e o curso passou a ser oferecido também para meninas.

Ada Lovelace também tem uma data em sua homenagem, celebrada anualmente no dia 15 de outubro. O “Ada Lovelace Day” tem como objetivo lembrar os feitos do sexo feminino nas ciências, tecnologia, engenharia e matemática, assim como encorajar que mais mulheres sigam este caminho.

E afinal, hoje é  “Ada Lovelace Day”, data criada para lembrar os feitos do sexo feminino nas ciências, tecnologia, engenharia e matemática, assim como encorajar que mais mulheres sigam este caminho, convidei uma delas para homenagear as mulheres que seguiram seus passos e a têm como exemplo.

😉

Gostou? Então não esqueça de continuar este movimento de empoderamento feminino e brincar com uma pequena cientista hoje mesmo!

Quando encontrar uma garotinha, na fale (só) dos seus olhos e cabelos bonitos ou da roupa que ela veste, pergunte da escola, incentive-a no caminho da ciência, da tecnologia e do conhecimento. Em poucos anos esta sementinha vai te surpreender positivamente! 

🙂

The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Latest posts by Sam @samegui Shiraishi (see all)


Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas