Amamentar é lindo, instintivo e muito saudável. E independe do tipo de parto! #SMAM

Aqui tem uma mãe de 3, todos nascidos por cesáreas, aleitados em livre demanda e prolongadamente (acima de 1 ano). Mas não divinizo o leite materno, respeito o empenho que cada pai e mãe tem em fazer seu melhor com seus filhos. E aproveito a semana mundial do aleitamento materno para convidar todos a exercitarem este mesmo respeito aos diversos modelos de família, de maternidade, de parto, de alimentação, de vida. Vem comigo! http://www.avidaquer.com.br/smam2014

Hoje começa a SMAM, semana mundial do aleitamento materno da qual participo há anos e que busca estimular a prática ancestral e biológica de alimentar o próprio bebê. Amamentar é tão natural que mesmo mulheres que não passaram por uma gestação (as mães adotivas) podem ser estimuladas a ter leite e assim cuidar de seus bebês.

Amamentar é lindo, instintivo e muito saudável.

Nesta manhã tive a infelicidade de ver uma fanpage que eu considerava simpática à primeira infância apresentar um update no qual relaciona a amamentação e o tipo de parto, dando a entender que gente como eu, a mãe de cesárea – que virou a figura alvo da culpa ancestral das mazelas do mundo – não amamenta. Achei esta chamada preconceituosa: a pesquisa trata do aleitamento na primeira hora (pouco divulgado ou estimulado no Brasil) e a chamada claramente acusa a mãe de cesárea de incompetente ou desligada do bem estar do bebê. Sugiro que os administradores desta e de outras páginas repensem o modo como se comunicam para buscar engajamento, não há necessidade de recair em grosserias, forçar estereótipos e comportamentos preconceituosos sobre uma questão que não é opção, é condição de saúde (a necessidade de cesárea emergencial para um parto saudável).

Aqui tem uma mãe de 3, todos nascidos por cesáreas, aleitados em livre demanda e prolongadamente (acima de 1 ano).

Minha condição física me impediu de ter partis normais, mas não fez de mim uma mãe ou uma cidadã inferior e clamo pelo respeito ao meu direto de ter meus filhos com saúde e de não ser julgada nem pelo modo como nasceram ou como eles foram alimentados – porque quem não pode ou quis amamentar também não é menos mãe.

Chega de incitar preconceito e criar problemas onde não precisamos, quando temos tantos problemas sociais verdadeiros a resolver na humanidade!

Em outras Semanas Mundiais de Aleitamento Materno:

Faz TODA diferença ter um grupo de apoio e profissionais da área médica que nos atendam e reforcem em nós a certeza e a segurança de que o leite materno pode e deve alimentá-los, mesmo nas situações adversas, mesmo que por sonda ou por mamadeira. Leia mais em Grupo de apoio ao aleitamento materno #smam http://www.avidaquer.com.br/gaam/
O que vocês acham deste nosso papel como Embaixadoras do Aleitamento? http://www.avidaquer.com.br/embaixadoras-do-aleitamento-materno/
Todo mundo faz campanha para que a gente amamente até tarde, mas querem que a gente o faça hibernado, escondidas como ursas polares que ficam na toca durante o primeiro ano do bebê! Leia mais em Cidades para pessoas – e espaços culturais para famílias, até as que amamentam! http://www.avidaquer.com.br/cidades-para-pessoas-e-espacos-culturais-para-familias-ate-as-que-amamentam/
Como sua empresa está se ajustando a esta nova época? Os avanços científicos que comprovam o valor do aleitamento materno têm feito diferença por aí? Leia mais em Em defesa de uma nova postura empresarial para mães aleitarem seus bebês #smam http://www.avidaquer.com.br/em-defesa-de-uma-nova-postura-empresarial-para-maes-aleitarem-seus-bebes-smam/
Quando o bebê nasce muito frequentemente nós somos deixadas de lado e as pessoas só querem saber do bebê, esta é, na minha opinião, uma das grandes causas da depressão materna. Leia mais em A mãe suficientemente boa é aquela que se permite ser imperfeita http://www.avidaquer.com.br/bernard-golse/
Um estímulo ao aleitamento e ao preparo da mãe que nasce junto com o bebê. Leia mais em Dicas para se preparar para amamentar #smam http://www.avidaquer.com.br/dicas-de-aleitamento/

 

A frase – “Amamentar hoje é pensar no futuro” – foi tema da Semana Mundial de Amamentação, estratégia idealizada pela Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno (Waba, a sigla em inglês), que ocorre em cerca de 150 países e da qual sou voluntária e entusiasta desde 2006. Em 2000 e 2002, quando tive meus filhos mais velhos, eu doei leite e os aleitei além de 1 ano de idade, além de ser voluntária em Unidades de Saúde de comunidades carentes para estimular as mães a manterem o vínculo do aleitamento mesmo depois dos 6 meses do bebê. A campanha tem como objetivo incentivar o aleitamento até os dois anos ou mais e de forma exclusiva até os sexto mês de vida do bebê. Leia mais em Blogagem Coletiva Por que eu sou ativista da amamentação http://www.avidaquer.com.br/amamentar-hoje-e-pensar-no-futuro/

E para pensar, ressalto alguns comentários que li no Facebook:

Fiz parto normal, mas também achei a chamada bem preconceituosa… Como a maioria das coisas que falam sobre cesárea sempre de forma pejorativa, querendo trazer para as mães que precisaram ou optaram por esse parto uma culpa descabida…” FP

É verdade, o parto normal pode ajudar a descida do leite porque há mais hormônios que avisam que “chegou a hora”. Vivi isso pois entrei em trabalho de parto (nos dois filhos mais novos) e a cesárea foi de emergência. Mas nada deve desestimular as mães a amamentar por conta do trabalho de parto e reitero que o tipo de chamada que diz que “mães de cesárea amamentam menos” pode desestimular ou impressionar quem não teve filhos ainda.

“Fiz cesaria e amamento a minha filha ate hoje com 3 meses e saímos do hospital já com leite saindo e não o colostro, isso e pega do bebe adequada. Indifere o tipo de parto.” RGR

Opine também!

Leia todos (os inúmeros) posts sobre aleitamento materno no link http://bit.ly/avidaquerALEITAR:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.