Signo da Cidade

“Não dá para sobreviver em São Paulo sem solidariedade, sem receber ajuda e sem dar ajuda a alguém”, afirmou Bruna Lombardi no lançamento do filme Signo da Cidade, que teve pré-estréia ontem. Solidão e solidariedade na maior cidade do Brasil é o centro do roteiro que a atriz, radicada com a família nos Estados Unidos há muitos anos, escreveu para o filme no qual atua como uma astróloga que ajuda as pessoas atendendo a ouvintes de um programa de rádio. O diretor é Carlos Alberto Riccelli, marido de Bruna, que garante que veremos no filme as pessoas comuns que compõe esta cidade tão grande e populosa que nos deixa sós. A trilha sonora é de Caetano Veloso e o elenco tem atores que costumamos chamar de Globais, à exceção, talvez, do filho do casal, Kim Riccelli.
Ainda não vi o filme, mas quem viu, aprovou.

Desde que comecei a ver as chamadas o filme me chamou atenção. Por morar aqui, a realidade paulistana me atrai. Hoje em dia entendo mais este apego do paulistano ao que é seu, aquelas coisas tão daqui que se sustentam numa autofagia (como a dos filmes novaiorquinos de Woody Allen), os programas ao vivo da Record, as rádios que falam do trânsito, enfim, coisas que achava estranhas quando eu só visitava os parentes de meu marido e hoje são parte da minha rotina.O filme entra em cartaz em São Paulo dia 25 de janeiro, data de aniversário de 454 anos da cidade, sendo exibido em dez salas de cinema da capital e, como um presente aos paulistanos, o ingresso custará R$ 1,00 neste dia. Postei detalhes que recebi da assessoria do filme no Meu Clipping.
P.S. Se o assunto te interessa, leia também outros posts do aniversário aqui. E se a astrologia lhe chama atenção, leia o texto das mulheres e signos, que postei no final de 2007. Poucas não se identificaram…
[update] Saí depois de postar e na volta Francys comentou avisando que Lunna também comentou deste filme no blog dela hoje! Sintonia boa! Agora só falta a resenha que a Kaká prometeu. 😉
Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.