Se falar ou digitar no celular, não dirija nem atravesse a rua! #dirigebonito

“Ninguém sabe ao certo qual o grau de envolvimento dos celulares nas estatísticas de acidentes de trânsito porque ninguém, infelizmente, faz esse controle. E quem confessa? Depois da tragédia consumada, o culpado vai lá dizer assim “é que eu estava no telefone…”?

20111220-101846.jpg

O texto da coluna de Isabel Clemente no blog Mulher 7 X 7 faz a gente pensar. E até os motoristas que, como eu, se negam a falar no celular enquanto dirigem (eu realmente encosto o carro ou ligo depois e mesmo o marido eu evito só máximo deixar que atenda ao telefone dirigindo), se preocupam ao ler as estatísticas extra oficiais ligadas ao tema.

20111219-183957.jpg

E se você não tem toda esta disciplina, saiba que não está só. Como lembra a jornalista em seu texto, há uma fórmula perigosa em gestação: há cada vez mais veículos circulando e mais celulares sendo usados.

“São pessoas armadas de carros e telefones inseridas numa rotina de urgência. Eu tenho que adiantar meus telefonemas agora antes de chegar no trabalho. Eu tenho que marcar minhas consultas enquanto o trânsito está parado. Eu tenho que avisar em casa que vou demorar por causa desse acidente. E assim vamos todos, embarcando nas nossas incontestáveis e individuais necessidades, justificando o que está errado.”

E o mesmo vale para os pedestres, pois estamos no trânsito (e deste péssimo hábito eu não me eximo, tuito e respondo mensagens enquanto caminho!). O assunto deve ficar reverberando em nossa mente, no melhor estilo “pulga atrás da orelha” e desejo que este post seja um “Grilo Falante” a me cobrar uma postura melhor, afinal, celular e trânsito não combinam.

Em 2012, não atenda o celular enquanto dirige ou atravessa a rua. Se for urgente, pare. Seja responsável. Tragédias acontecem numa fração de segundos.

Posts relacionados:

[update]

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook