cidadania / destaque / mobilidade


Agora é realmente oficial: um texto publicado no Diário Oficial (no dia 25/06/2016) pela Prefeitura de São Paulo oficializou o fechamento da Avenida Paulista para carrros aos domingos e feriados em decreto publicado neste sábado (25) do Munícipio. O texto institui o Programa Ruas Abertas, criado pela gestão municipal em 2015 e inclui 25 vias fazem parte do projeto, dentre elas, a Avenida Sumaré, na Zona Oeste da cidade.

Para quem acompanha esse acordo desde o pontapé inicial – estivemos no início das operações do programa Rua Aberta, que reserva o espaço de vias da Capital para pedestres e ciclistas – é uma alegria imensa ver ruas da nossa cidade disponíveis para a população aos domingos, convertidas num espaço para lazer, prática esportiva e convivência.



(reunião da Paulista Livre por @alinekelly do @isustentavel)

Desde outubro do ano passado a Avenida Paulista passou ser fechada para veículos e aberta para pedestres e ciclistas todos os domingos, das 10h às 18h. O bloqueio ocorre entre a Praça Osvaldo Cruz e a Rua da Consolação.

O decreto também institui um comitê de avaliação, melhorias e participação do Programa “Ruas Abertas”, que nasceu de uma demanda popular e envolveu a Prefeitura de São Paulo e diversas secretarias com audiências públicas nas Subprefeituras para pensar no melhor jeito de fechar ruas para o trânsito e abrir para uso da população em momentos de lazer, incentivanfo o exercício do direito ao território e consolidando relações sociais no bairro, além de incentivar o convívio harmonioso da população local com atividades artísticas, esportivas e culturais; promovendo o empreendedorismo e o mercado das micro e pequenas empresas locais, criando parcerias entre o governo local, a sociedade civil organizada e empresas privadas.

Considero o programa um exemplo de como podemos gerir conjuntamente a cidade.

Em 2015, ao contar da evolução da Paulista Aberta, fizemos um levantamento de projetos legais pelo mundo, começando pela Rua das Flores, em Curitiba, PR. Veja

E se quiser cobrar das experiências que teve em ruas abertas, comente ou mande seu relato para publicarmos! 


Estatísticas