mãe / sustentabilidade

20111126-102556.jpg

Neste sábado a Folhinha lançou um desafio sustentável: antes de “enviar a lista ao Papai Noel”, que tal abrir o baú e escolher brinquedos que ainda divertem?

Há alguns anos, nesta época, eu promovi a Blogagem Coletiva do Consumo Consciente e sugeria algo parecido: repensar e rever o que temos antes de planejar novas compras. Minha inspiração vinha da experiência da infância, de sempre olhar algo para doar antes de ganhar e do “apego” dos meus meninos com seus brinquedos antigos. Como eu sugeri que não daria nada novo no Natal para quem não doasse, eles começaram a ver o que tinham para escolher objetos para doar e acabaram descobrindo que ainda “adoravam” os brinquedos antigos, que voltaram à roda do brincar diário. E eu tive que manter a palavra naquele 2008, época da foto abaixo (na confusão da separação de brinquedos para doação!)).

20111126-102617.jpg

Desde então, admito, os pedidos de presentes mudaram e se tornam cada dia mais conscientes, menos ansiosos e mais assertivos. Mas a necessidade de uma lembrança sobre os brinquedos e um estímulo para o brincar continua. Quando conheci o movimento Dirty is good (porque se sujar faz bem), descobri uma fundamentação teórica para algo que eu já intuía: brincar se aprende. Somos seres lúdicos e criamos brincadeiras com quase tudo na infância, mas precisamos ser convidados a brincar e este momento precisa ser compartilhado com boas companhias. Cabe a nós, pais e mães, tios e avós, fazer este papel de agregador e facilitados do brincar infantil, mas será que estamos realizando bem esta tarefa ou nos satisfazemos em comprar os insumos, deixando a obra por conta dos pequenos aprendizes?

Então, a um mês do Natal e no Dia Sem Compras, que tal dedicar o tempo que seria dedicado (perdido?) em lojas e shoppings e revistar os brinquedos, aproveitando para brincar com eles?

Já pensou em se divertir sem precisar de brinquedo novo? Pense em novos jeitos de brincar com o que tem em casa. Ou troque com amigos: o que é velho para você pode ser novidade para eles.

P.S. E para quem não tem crianças, mas curtiu a idéia: que tal conversar com amigos e ver se um não usa, pode ser exatamente o que o outro precisa? Estou trocando o sofá e uma amiga minha vai ficar com ele para a sala de TV da casa dela, numa troca que me deixou contente pois quando for visita-la vou me sentir ainda mais em casa (risos).

[update] Outros Dias Sem Compras:
http://www.avidaquer.com.br/um-vdia-sem-compras/
http://www.avidaquer.com.br/consumista-eu/
http://www.avidaquer.com.br/dia-sem-compras/

Aqui entre nós: pedir para se abster de comprar em dia de folga pode ser uma maldade, ainda mais para quem, como nós, trabalha tanto que nunca tem tempo né? Mas vale registrar a data (um dia depois do Black Friday e um mês antes do Natal) como um dia para repensar o consumo de modo consciente. 😉
[/update]

Você pode gostar também de ler:
Quem me conhece pessoalmente já ouviu meus comentários de consumidora, cobrando meus direitos e relembrando
"A simplicidade ultrapassa a adoção de uma atitude menos consumista, mas não significa um rompimento
Imaginem em pleno século XXI alguém defender uma atitude impositiva dos governos, intervindo e com
Recebi um release que dava conta de que o brasileiro é o quarto maior consumidor
Esta é para quem quer reduzir (ou evitar) o tempo das crianças em frente ao
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas