destaque / entretenimento

  
A peça Rei Lear, escrita por William Shakespeare no século XVII parece imortal. Na história, o idoso rei da Bretanha tenta calcular a partilha de seu reinado entre suas três filhas – duas ambiciosas e interesseiras, e apenas uma dedicando amor ao pai.

Essa é novamente a inspiração da teledramaturgia. 

A Fox apresentou hoje o primeiro episódio da série Empire, que traz uma versão moderna para a história medieval: Terence Howard interpreta Lucious, um rapper traficante que se tornou megaempresário do ramo musical. Ao descobrir que tem uma doença autoimune degenerativa (ELA), o protagonista precisa decidir qual de seus três filhos herdará a empresa.

(ELA, esclerose lateral amiotrófica, é doença que degenera neurônios e células do sistema nervoso que ficou famosa em 2014 pelo desafio do balde do gelo) 

  
Como na peça de teatro e na recente novela de TV que tinha o mesmo pano de fundo, a história tem filhos com personalidades e características distintas: um estudioso e “careta” (Trai Byers), um cantor pop gay (Jussie Smollett) e um rapper problemático e irresponsável (Bryshere Gray). Para herdar a fortuna, eles terão de enfrentar ainda Cookie (interpretada por Taraji P. Hansen, que está uma diva!), a ex-mulher do chefão, e que quer sua parte no negócio.

  

Eu sempre falo do diretor e acredito que nos dá noção do que virá.

  
Empire é um projeto de Lee Daniels. Ele próprio negro e gay (como o personagem Jamal), o cineasta costuma dar um viés ativista aos seus trabalhos, em especial sobre o preconceito social contra os negros e/ou contra os gays. Para nove ter uma noção, são trabalhos dele Preciosa (2009), The Paper Boy (2012) e O Mordomo da Casa Branca (2013).

(Aliás, o Mordomo é um dos melhores filmes que vi no ano passado!)

  
Neste projeto, Lee Daniels repete a dobradinha com Danny Strong, com quem já havia trabalhado em O Mordomo da Casa Branca. Outro trunfo é, claro, a música. Ótima, até quando não é exatamente o estilo da gente!

O primeiro capítulo me agradou!Vamos ver como a série se mostra no futuro. 


Estatísticas