Como um estudante vê o mercado atual da Publicidade?

(Photo by Jonathan Simcoe on Unsplash)
(Photo by Jonathan Simcoe on Unsplash)

Desde que o @avidaquer nasceu eu tenho este olhar para os estudantes, tanto para quem quer ir para o mercado e fazer diferença e quanto para quem está lá na Academia, planejando uma vida de estudos e pesquisas. O blog tem sido uma casa para divulgar iniciativas e também para abrigar ideias de pessoas que querem falar e ouvir.

Assim, quando o estudante de Publicidade da Universidade São Judas Tadeu me mandou um e-mail no começo do mês contando que buscava oportunidades para publicar artigos e criar um portfólio, oferecendo-se para enviar um texto inédito para publicarmos aqui, eu gostei. E sugeri que ele começasse por este diferencial: ser estudante universitário numa área em constante mudança, num mercado que não é dos mais seguros, mas é incrivelmente atraente.

Vejam abaixo o que Kaio Emmanuel nos conta:
mercado-publicitario

O brasileiro já nasceu publicitário.

Essa é uma frase que sempre vejo circular nas redes sociais, geralmente acompanhadas de imagens divertidas e trocadilhos. Ela traz um pouco de verdade, mas não é absoluta. De fato, acredito que somos um povo criativo, mas a capacidade de fazer comédia com quase tudo não é o único fator chave na hora do sucesso em uma profissão na área publicitária. São necessários conhecimentos prévios de técnicas e noções de marketing e publicidade que somente os estudos podem fornecer, além de outros fatores que falarei ao longo do texto. Tudo isso junto aprimorará a criatividade latente que “qualquer brasileiro” diz ter.

Acredito que é preciso mais do que vontade para seguir seja qual for a profissão.

Isso inclui todas aquelas profissões que achamos bonitas mas que sabemos que não temos o menor jeito para segui-las. E existem duas coisas que não podem ser ignoradas no processo de escolha: a aptidão e a habilidade. Eu gostar de uma profissão não deve ser o único fator de escolha da mesma. E para ajudar a encontrar o caminho certo, nada melhor que muita pesquisa ou a ajuda de um coaching profissional. Há quem diga que ele irá ajudar a decidir a melhor área de atuação através de um teste vocacional. Agora, se você fez e a publicidade foi uma das indicadas, mãos à obra, porque o caminho não é tão fácil quanto aparenta ser.

(Photo by Oscar Nilsson on Unsplash)
(Photo by Oscar Nilsson on Unsplash)

Temos bons publicitários e profissionais de comunicação que são responsáveis pela imagem que a empresa projeta para o mundo. Esses profissionais são ligados no desejo de seu público, atentos às mudanças significativas e seus anseios. Um bom publicitário passa a falsa impressão de que o cliente sempre necessitou ter aquele produto. Ser responsável por desencadear ideias e lançar modas e estilos exige uma preparação técnica que muitos não estão preparados. O domínio de técnicas de mercado e publicidade é o diferencial que muitos não terão nesta corrida pelas melhores vagas. Há casos de profissionais que não precisaram terminar a faculdade para ter sucesso, como é o caso de Ryan Holiday, mas o publicitário responsável pela American Apparel é um caso de sucesso, mas é uma exceção em um mercado cada vez mais exigente.

Outro diferencial que vale a pena estar sempre de olho é o domínio de sua própria língua. Nunca se esqueça que, embora uma segunda ou terceira línguas seja algo indicado, dominar a sua própria língua e suas nuances é fundamental, pois a linguagem escrita é uma das maneiras infalíveis de fazer a mensagem chegar ao seu público. A imagem diz tudo, mas a linguagem que a acompanha deve estar consoante com a mesma. Escrever um bom texto aproxima a mensagem com o seu público. O jogo de palavras atrai ao passo que dialoga com suas necessidades.

Mas fazer publicidade em nosso país é algo que vale a pena?

Essa é uma pergunta que muitos vem me fazendo desde que entrei em meu curso. Bem, não é uma resposta fácil de se dar. O mercado afunila-se ao mesmo tempo em que multiplicam-se o número de profissionais formados. A chegada de novas ferramentas de publicidade e a velocidade de informações exigem uma rapidez de absorção de conhecimentos que nem todos responderão à altura. Sairá melhor quem souber dançar conforme a música, que responda às necessidades do mercado com maior eficácia e rapidez. Ser um bom profissional em publicidade exige muito mais do que criatividade, é necessário estar ligado em tudo o que ocorre ao seu redor, filtrar boas oportunidades e abraçar as soluções o mais rápido possível. Se você possui essas qualidades, respondo que sim, fazer publicidade é algo que vale a pena investir. Dentre os benefícios estão uma boa rentabilidade e uma profissão que se renova a cada dia.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.