Qual era a música mais tocada no dia em que você nasceu?

Púa_de_tocadiscos_sobre_disco_de_vinilo

Passamos momentos divertidos brincando de descobrir qual era a música mais popular (nas paradas americanas) no dia em que cada um daqui de casa nasceu.

Incrível como cada canção fala da época e acaba tendo até um pouco de nós!

Ouça as nossas e divirta-se descobrindo a sua no site http://playback.fm/birthday-song.

Começando por meu marido, Guilherme, que descobriu o site e é o mais velho da família.

Without You por Harry Nilsson (1972):

Crocodile Rock por Elton John (1973, quando eu nasci)

Eu gosto do Elton John, mas não desta música, prefiro, por exemplo, Don’t Go Breaking My Heart, com Elton John e Kiki Dee.

One Sweet Day por Mariah Carey e Boyz II Men (1996, quando casamos):

Maria Maria by Santana featuring The Product G&B (2000, quando nasceu nosso, filho mais velho):

Dilemma po Nelly featuring Kelly Rowland (2002, quando nasceu nosso segundo filho):

When I Was Your Man por Bruno Mars (2013, quando nasceu nossa filha):

Você sabe como estes rankings musicais se popularizaram?

Tudo indica que tem a revista semanal americana Billboard no começo de tudo.

Qual era a música mais tocada no dia em que você nasceu?

Conhecida como The Music Bible (“A bíblia da música”), foi fundada em 1894, tendo como foco inicial o mercado publicitário, mas passou a tratar apenas de música a partir de dos anos de 1950. A Billboard mantém vários rankings reconhecidos internacionalmente que classificam canções e álbuns populares em várias categorias e estilos. Em 4 de janeiro de 1936 a Billboard publicou o seu primeiro ranking musical, e em 20 de julho de 1940 publicou sua primeira lista de popularidade musical (Music Popularity Chart). O ranking mais conhecido, o Hot 100, mostra os 100 singles mais vendidos e tocados nas rádios e é frequentemente usado nos Estados Unidos como a principal forma de medir a popularidade dos artistas bem como de uma canção.

Há uma versão brasileira, a billboard.com.br, mas não tem a mesma força regional.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.