Quais serão as propostas dos presidenciáveis para educação?

Tenho acompanhado com olhar atento as ações dos candidados a presidente nas mídias – não só a digital, mas as tradicionais também – e noto que a cobertura jornalística resvala no superficial, como se fosse uma cortina de fumaça sobre os temas que realmente importam e que podem causar furor. Outro dia conversei com um colega de profissão que faz cobertura fotojornalística das eleições e ele me contava que está muito “diferente” trabalhar acompanhando os candidatos neste ano porque as equipes de mídia social deles acabam tendo lugar privilegiado. Fiquei aqui pensando: será uma forma de conduzir a campanha para a cobertura de interesse deles ou uma possibilidade de que temas menos populares ganhem maior visibilidade?


Creio que é tarefa nossa, especialmente de quem tem alguma mídia em mãos (blog é mídia, mesmo sendo mídia pessoal), dar espaço e destaque para as campanhas que realmente importam segundo seus critérios. Para mim, a base de tudo é a educação. Com um povo educado todos os outros problemas apontados como importantes – saúde, segurança, economia e emprego, meio ambiente, desigualdade e pobreza, infraestrutura – são solucionados, a curto, médio ou mesmo longo prazo se tivermos cidadãos educados, conscientes de seus direitos e deveres, capazes de manter um país com plenas condições de vida, crescimento e desenvolvimento humanos.

No debate dos presidenciáveis da semana passada Educação não foi o tema mais tratado. Foi emprego, segundo vi num gráfico interessante produzido por David Michelson e Alberto Cairo, como podem ver abaixo:

Hoje eu e outros representantes da mídia social interessados em educação estaremos reunidos com Maria Alice Setubal, que coordena a formulação das diretrizes do programa de governo da candidata do PV, Marina Silva. O encontro, que faz parte do programa “Sala de Marina”, será transmitido ao vivo pela internet a partir das 17h e permite a participação do público pelo Twitter, usando a hashtag #salademarina.

Maria Alice Setubal é socióloga, doutora em psicologia da educação e mestre em ciência política, é mais conhecida como Neca Setubal. Ela também atua como presidente do Centro de Estudos em Educação e Cultura (Cenpec) e da Fundação Tide Setubal.

Para ser democrática, sugeri aos colegas jornalistas envolvidos na campanha dos outros candidatos que promovam o mesmo encontro focado na temática da educação – e estou me comprometendo com vocês, leitores, a dar espaço para contar o que ouvi aqui casos estes convites cheguem a mim. Vamos torcer que todos estejam empenhados em de fato abrir suas propostas na área educacional para toda sociedade participar, conhecer e se envolver.


P.S. Quem estará lá comigo: Guilherme Nunes da Silva, pai, empresário e editor do blog Conversas de Cozinha; Aline Kelly, mãe, professora e voluntária do Todos pela Educação, editora do blog Sustentável 2.0; Cybele Meyer, do blog Educa Já e Claudia Charoux, designer instrucional e colaboradora de projetos sociais na área de educação a distância.

[update]

Neste bloco, Cláudia fala da mudança que deve haver no modelo de escola. Para ela, a instituição deve ensinar a ter pensamento crítico, e não ser apenas uma transmissora de conhecimento. E Neca é a favor de uma formação diferente para os professores.

Guilherme conta que morou dois anos no Japão e diz que o país tem a educação como o alicerce da sociedade. “Lá, toda a orientação social é feita através dos fundamentos que as pessoas aprendem na escola”. Neca percebe que tal consciência já está florescendo na sociedade brasileira.

Neste bloco, Cybele defende que a máxima “o professor não é valorizado” não seja mais proferida. “A partir do momento em que a gente parar de falar isso, o professor passará a ser valorizado”. Neca mostra a troca de conhecimento entre professor e aluno que a evolução tecnológica proporcionou.


[/update]

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook