(Foto da Passeata pela Paz - Capão Redondo - São Paulo, SP. CC BY-SA por Jennifer Glass)

Mapa da Desigualdade da Primeira Infância de São Paulo

(Foto da Passeata pela Paz - Capão Redondo - São Paulo, SP. CC BY-SA por Jennifer Glass)
(Foto da Passeata pela Paz – Capão Redondo – São Paulo, SP. CC BY-SA por Jennifer Glass)

Você sabe como medir se uma escolha ou decisão realmente atende às necessidades e prioridades do sue bairro, sua cidade, seu estado?

Desde seu surgimento acompanhamos Mapa da Desigualdade, metodologia aplicada há seis anos na cidade de São Paulo, e que tem como base o uso de indicadores municipais que permitam identificar a oferta de equipamentos e serviços públicos em cada um dos 96 distritos da capital paulista.  Trata-se de um instrumento que reúne dados estatísticos para orientar a tomada de decisão e contribuir para que as intervenções no espaço urbano atendam às necessidades e prioridades do município.

(Foto da Passeata pela Paz - Capão Redondo - São Paulo, SP. CC BY-SA por Jennifer Glass)
(Foto da Passeata pela Paz – Capão Redondo – São Paulo, SP. CC BY-SA por Jennifer Glass)

Quer saber como os pequenos paulistanos enxergam a cidade em que nasceram e vivem? Nos links a seguir tem registros de fotos daquilo que algumas crianças gostam ou não gostam durante uma caminhada na cidade.

Aron (4 anos)
Giovanna (5 anos)
Joca (5 anos)
Miguel (7 anos)
Sofia (1 ano)
Victória (2 anos)

Nós do @avidaquer acompanhamos os esforços para tornar nosso país um lugar melhor para todos e por isso acompanhamos dados e quando escolhemos áreas, continuamos seguindo os passos de quem atua neste setor. Um dos nossos mais queridos setores é a infância, em especial as políticas públicas para primeira infância, aquela fase que envolve a vida dos zero aos seis anos de idade.

E apreciamos (de verdade, gostamos de acompanhar) os esforços que visam projetar a criança no foco da gestão pública e do desenvolvimento urbano justo e sustentável porque cremos que uma cidade que acolhe as demandas da primeira infância promove a cidadania antes mesmo do nascimento e contribui para a formação de adultos mais bem preparados para lidar com as demandas de um mundo cada vez mais complexo e dinâmico.

Em dezembro de 2017, estivemos no evento no qual a Rede Nossa São Paulo e a Bernard van Leer Foundation lançaram o Observatório da Primeira Infância, portal que tem como objetivo organizar e disponibilizar indicadores sobre as condições de vida de crianças de 0 a 6 anos na cidade de São Paulo.

São 130 indicadores relacionados à infância.

A abordagem envolve temas como saúde, educação, uso da cidade, infraestrutura e planejamento urbano, consumo responsável, cultura, esporte, economia criativa e sustentável e equidade social.

O Mapa da Desigualdade da Primeira Infância de São Paulo faz um recorte dessa realidade ao reunir um conjunto de 28 indicadores municipais, relacionados a temas fundamentais para o bem-estar e qualidade de vida na Primeira Infância.

Esses indicadores foram selecionados a partir da base do Programa Cidades Sustentáveis (PCS) e estão associados aos eixos do Urban95, uma iniciativa da Fundação Bernard van Leer, e aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), das Nações Unidas.

Os indicadores contemplam áreas como educação, saúde, assistência social, meio ambiente e direitos humanos, entre outras, e foram aplicados na menor unidade administrativa da capital paulista, seus distritos. Dessa forma, foi possível identificar as diferenças territoriais da cidade e calcular o fator de desigualdade entre os distritos, a partir da relação entre o melhor e o pior indicador.

View this post on Instagram

Em São Paulo o trabalho de repensar a cidade para a criança de 0 a 6 anos começou bairro do Campo Limpo há 1 mês e meio no entorno do terminal de ônibus, unindo as dificuldades e as facilidades (praça com serviços sociais e projetos). O trabalho foi facilitar o acesso das pessoas na falta da infraestrutura. Parte do trabalho foi estimular o uso do sling como instrumento de mobilidade, pois dribla as dificuldades estruturais da cidade, dá autonomia para as mães e favorece positivamente a criança. 🤰🏽👼🏼 Você não tem bebê e nao entendia as mães com bebês amarrados neste pano? Bom, vou te ajudar: tente caminhar na cidade imaginando que está levando um carrinho de bebê com rodinhas pequenas e uma criança exposta a tudo, nestas calçadas irregulares, nestes semáforos que nem sempre funcionam ou em passarelas que só facilitam a vida de quem usa escadas. Imaginou? Então, agora avalie como seria bom fazer esses trajetos com os braços livres e caminhando firme e forte sem empurrar o carrinho trepidando. É um pequeno detalhe de um novo olhar para o bem estar infantil que passa pelo cuidado e empoderamento da mulher. #empoderamentofeminino #empodereduasmulheres #sling #cidade #mobilidade #cidadania #campolimpo #agentenaoquersocomida #avidaquer @avidaquer por @samegui avidaquer.com.br

A post shared by A Vida Quer (@avidaquer) on

Com isso, espera-se sensibilizar gestores públicos, lideranças, organizações e a sociedade em geral para aquilo que os indicadores revelam: a cidade precisa cuidar melhor de suas crianças.

Dias depois deste evento, eu estive num papo com pais e alunos numa faculdade particular mantida por uma entidade de classe. Ver engenheiros conversando sobre questões sociais me fez perceber o quanto é valioso e urgente conseguirmos juntar diversos setores da sociedade para conversarem e reunirem suas expertises, seus olhares e aproveitarem juntos suas competências para melhorar nossa cidade, nosso estado, o mundo em que vivemos. 

Conheça o projeto:

http://www.observaprimeirainfancia.org.br

 

Guias do Observatório da Primeira Infância:
Observatório da Primeiro Infância em 5 passos – Guia de multiplicação
Observatório da Primeiro Infância em 5 passos – Guia de multiplicação – espanhol
Observatório da Primeiro Infância – Guia técnico
Observatório da Primeiro Infância – Guia técnico – espanhol

Baixar os arquivos:
Mapa da Desigualdade da Primeira Infância
Apresentação do Mapa da Desigualdade da Primeira Infância

 

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.