entretenimento

primeira carta de São Paulo aos Coríntios, carta de São Paulo aos Coríntios, frase de paulo aos corintios, texto de paulo aos corintios, obra atribuída a Valentin de Boulogne, história dos cristãos, Nicolas Tournier, Paulo de Tarso, Saul de Tarshish,  misógino, pilares da Igreja Cristã, pés da igreja Cristã, livro O Grande Amigo de Deus, indiação de livro O Grande Amigo de Deus, Taylor Caldwell,  Renato Russo, musica do  Renato Russo, composição do Quatro Estações, história da composição do Quatro Estações, Gideões, capitulos Primeira carta de São Paulo aos Coríntios, texto da Primeira carta de São Paulo aos Coríntios, São Paulo a escrever as epístolas (obra atribuída a Valentin de Boulogne ou a Nicolas Tournier) Não sou fã do Paulo de Tarso , Saul de Tarshish, como era chamado este fariseu que perseguiu os cristãos até que um dia, às portas da cidade de Damasco, teve uma cegueira temporária que lhe abriu os olhos espirituais. Ele foi sempre um misógino e isso é suficiente para me deixar com muitos pés atrás na doutrina que pregou e que, infelizmente, definiu os pilares da Igreja Cristã – depois católica – e deixou um rastro de intolerância, infelicidade e culpa em boa parte da humanidade. Nem ler o livro O Grande Amigo de Deus , de Taylor Caldwell (Editora Record, 512 págs) me fez mudar de idéia. Mas eu ainda aprecio muitíssimo algumas palavras que são atribuídas a ele e que acredito que tinham verdadeira inspiração divina. Acho que elas é que tocaram o coração do Renato Russo na época da composição do Quatro Estações, álbum de 1990 que ele compôs em grande parte após ler um exemplar do Novo Testamento (destes que o movimento dos Gideões deixa nos hotéis e hospitais). Um dos textos é o que segue:


Primeira carta de São Paulo aos Coríntios; capítulo 13 Se eu falasse todas as línguas, as dos homens e as dos anjos, mas não tivesse amor, seria como um bronze que soa ou um címbalo que retine. Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de remover montanhas, mas não tivesse amor, nada seria. Se eu gastasse todos os meus bens no sustento dos pobres e até me fizesse escravo, para me gloriar, mas não tivesse amor, de nada me aproveitaria. O amor é paciente, é benfazejo; não é invejoso, não é presunçoso nem se incha de orgulho; não faz nada de vergonhoso, não é interesseiro, não se encoleriza, não se alegra com a injustiça, mas fica alegre com a verdade. Ele desculpa tudo, crê tudo, espera tudo, suporta tudo. O amor jamais acabará. As profecias desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência desaparecerá. Com efeito, o nosso conhecimento é limitado, como também é limitado nosso profetizar. Mas quando vier o que é perfeito, desaparecerá o que é imperfeito. Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando me tornei adulto, rejeitei o que era próprio de criança. Agora nós vemos num espelho, confusamente, mas, então veremos face a face. Agora, conheço apenas em parte, mas, então, conhecerei completamente, como sou conhecido. Atualmente permanecem estas três: a fé, a esperança, o amor. Mas a maior delas é o amor.


The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas