cidadania / destaque / social good

 Vejo a notícia dos médicos do Paraná que tinham frequência média de 7% e penso na injustiça que é tanto na população (que conta com eles) quanto com os bons profissionais (como minha irmã, cardiologista e médica do Estado lá em Curitiba) que trabalham tanto e com tanto afinco.
Que triste! 

Precisamos reagir e limpar o país em todas as esferas, tanto no que diz respeito aos governantes quanto da população, pois é com retidão e trabalho que mudamos sociedade. 

Quem concorda comigo?

Sobre o caso do meu Paraná:
A Operação São Lucas ouviu 17 servidores – dez médicos e sete funcionários, partindo da investigação de um hospital público de Curitiba ligado à UFPR. Segundo as investigações, médicos recebiam salários do Governo Federal entre R$ 4 mil e R$ 20 mil, mesmo sem exercer as funções há anos, segundo dados que abrangem o período desde 2010, quando começaram as investigações.

Segundo o delegado Maurício Todeschini, os profissionais eram concursados e recebiam normalmente como todos os servidores, mas compareciam muito pouco ao trabalho, um índice médio de 7%. Também há casos de pessoas que nunca compareceram.

Ele contou aos jornalistas Fernando Castro e Murilo Basso, que começaram a fazer uma avaliação do custo total do hospital e a verificar o custo fixo. E na mesma linha foram em busca da produtividade de cada médico e perceberam que haviam casos em que ela era muito baixa. Para disfarçar as ausências, os médicos fraudavam o cartão ponto com entradas e saídas falsas, muitas vezes utilizando residentes para trabalhar em seus lugares. Há relatos de diversos funcionários de que os residentes carregam o HC nas costas, até por conta da ausência de profissionais. A polícia investiga ainda se mais médicos participavam do esquema, e também apura a responsabilidade sobre a falta de controle de presença.

As áreas do hospital diretamente afetadas pelas fraudes foram ultrassonografia, radioterapia, clinica medica, nefrologia, transplante de medula óssea, cirurgia torácica e cardiovascular, serviço de reprodução humana, radiologia e ginecologia.


Estatísticas