Por que o Eldorado é tão familiar?

Menina de interior, criada em cidade muito pequena e com comércio incipente, lembro nitidamente de quando visitei o Shopping Eldorado em São Paulo pela primeira vez. Eu já morava em Curitiba, mas lá o maior shopping ainda não era assim, um super centro de entretenimento. Ao ver no Eldorado lojas imensas e uma variedade de coisas que me interessavam, me apaixonei. Quando vim morar em São Paulo, muitos anos depois, era para o Eldorado, mesmo sendo do outro lado da cidade (eu moro na Mooca, mas é o espaço lá Zona Oeste ainda é o que mais visitamos), que ia com as crianças.

Vontade de um café bem gostoso para continuar a jornada...

Creio que é esta sensação de que “a gente ia em família” que faz muitas pessoas terem o Eldorado como referência. Inaugurado em 1981, o espaço passou por uma atualização com expansão dos espaços de subsolos e novas lojas. É verdade, ele é elite em alguns aspectos (a My Store, da Apple, é um dos exemplos), mas lá encontramos de tudo. Estive lá com a família no último sábado (um daqueles de tempo feio em Sampa que fazem o ditado “shopping é a praia dos paulistas” ganhar significado) e não faltaram demonstrações da diversidade que é tão boa em Sampa. Almoçamos no buffet de saladas do América (que estava divino) e, como bom restaurante Family Friendly, tinha opção para pratos para crianças (#aos8 optou por penne com bifinho) e lanches saudáveis para os maiorzinhos (#aos11 se deliciou com um hamburguer). De lá, uma passadinha no Playland, que também fica na praça de alimentação, perto do cinema, para onde iríamos em seguida ver um filme de ficcão científica, programa típico de famílias com meninos!

América do Eldorado

Ao lado do cinema, aliás, fica meu espaço favorito no Eldorado: o teatro. Já vi algumas apresentações (atualmente está em cartaz Peixonauta, um grande sucesso infantil) e vivi uma das maiores emoções ao assistir lá Beatles num céu de diamantes, um dos musicais mais queridos da minha vida! O espaço é confortável, a acústica muito boa e a arquitetura faz inveja a muito teatro por aí. Detalhes que fazem grande diferença no consumo de cultura e, bom lembrar, tem a segurança de sairmos do teatro direto para o estacionamento (ou o taxi), o que dá mais segurança para as saídas noturnas, não é mesmo? Já fui lá sem o marido, apenas com amigas, e foi bastante tranquilizador sabermos que estaríamos dentro de um espaço fechado. Não sou segregacionista não, quem me lê sabe que eu pego metrô, vou a locais abertos, mas a gente precisa pensar em tudo, não é mesmo?

Como ver filmes baseados em livros de Ziraldo e não lembrar do @samabr? :D

Confesso que outros assuntos mais fúteis e femininos me fazem escolher o Eldorado. Neste sábado era a “necessidade” (leia-se aqui necessidade feminina) de comprar roupinhas novas para dois eventos que eu teria nesta semana. Sabia que por lá eu encontraria uma grande variedade de lojas de roupas (de butiques a lojas de departamento), além de acessórios e calçados. Tiro e queda! Enquanto meus amores tomavam sorvete (quem resiste ao charme do carrinho da Dileto) e viam gadgets, encontrei um vestido e uma bolsa perfeitos para mim.

La felicità è un gelato :-)

Aliás perfeito foi o pacote de viagem que vimos, Gui e eu, na loja da CVC que fica no subsolo, revitalizado com a saída do tradicional Parque da Mônica. Se há um ano nos divertimos muito lá em família jogando Curling (aquele esporte no gelo, que ficou famoso nas Olimpíadas de Inverno), desta vez a diversão foi planejar as próximas férias. E tudo ali, no mesmo lugar, comprovando que o centro de compras é bom quando sabemos usá-lo para otimizar nosso tempo e satisfazer necessidades e desejos com sabedoria.

Quer mais motivos para visitar? Siga o @ShopEldorado.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook