Pílulas de Cultura Feira Preta

zal idrissa sissokho
O músico senegalês Zal Idrissa Sissokho e o kora.

O projeto Pílulas de Cultura Feira Preta, em parceria com o Centro Cultural da Espanha, comemorou a Semana da Consciência Negra, integrando a Programação Especial de Fim de Ano do CCSP. No dia 17 o músico senegalês Zal Idrissa Sissokho tocou kora, um instumento milenar conhecido como harpa africana com 21 cordas. Zé Benedito e convidados abriram o show, que contou com intervenção de artes visuais de Guilherme Scabim, discotecagem de DJ MF e performances de dança de Vanessa Soares.

Na mesma linha, neste sábado acontece no CCSP a oficina Brinquedos e Brincadeiras dos Meninos do Brasil com a pesquisadora Renata Meirelles, que vem trabalhando há mais de 10 anos em diversas regiões brasileiras, com ênfase na Amazônia. A atividade é para educadores e trará presentação de  filmes, fotos, práticas de jogos e brincadeiras, além de confecção de brinquedos e abrir espaço para relatos e discussões.

E no domingo, 22/11, é a vez de receber as velhas guardas da Camisa Verde e Branco e da Rosas de Ouro para apresentação no projeto Um Batuque Memorável no Samba Paulistano. Este projeto foi contemplado pelo edital Prêmio Pesquisador 2008 do Centro Cultural São Paulo, e tem como foco preservar a memória do samba da cidade.

E acontece também neste domingo, às 14h30 (na Sala de Leitura infanto-juvenil da Biblioteca Sérgio Milliet), mais uma edição da contação de histórias especial do mês da consciência negra, Um Canto de África com Grupo Sansakroma sem fronteira. Os escritores e contadores de histórias Julio D’Zambê (pedagogo, arte-educador, escritor, músico percussionista e contador de histórias) e Débora D’Zambê (pedagoga, arte-educadora, escritora e ilustradora, flautista e contadora de histórias), fundadores do projeto Sansakroma sem fronteira, fazem uma viagem por terras africanas a partir de cantos e contos. No repertório estão as histórias Nzuá e o Arco-Íris, Ahí viene El Congo, El sabor de África, Bintu e seus Quatro Birotes, O rei Preto de Ouro Preto, Como o criador fez surgir o homem na terra e outras histórias da tradição Zulu, A semente que veio da África, Como as histórias se espalharam pelo mundo, Por que o Cachorro corre atrás do Gato e outras histórias da tradição oral africana.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook