Qual é o perfil brasileiro dos usuários de encurtador de url?

Qual será o perfil do usuário brasileiro de encurtadores de url?

Segundo um levantamento parcial feito por @jonnyken, fundador e responsável pelo Migre.me, é este que reuni nas imagens desta colagem.

Perfil dos usuários do migre.me parcial de 04-07-2011

Jonny me contou hoje que está levantando estes dados – não tanto de quem cria os links, mas de quem clica nos links do migre.me – para agregar valor aos serviços prestados pelo encurtador de url – o primeiro brasileiro e por isso muito querido por todos, não é mesmo? Em vídeo, como gosta, ele explica que são só alguns dados e que tentou evitar ao máximo a invasão da privacidade do usuário, bem como vincular a identidade à url encurtada (nunca tinha pensado nisso, mas deve ter gente com motivos para esconder estas ligações, né?).

“A idéia é pegar somente estes 4 dados ao lado para poder gerar relatórios mais complexos e interessantes para nossos usuários e clientes. Tanto é que nem iremos pegar seu nome, email ou login do twitter.
Estes dados ficarão gravados em um cookie armazenado pelo seu navegador em seu computador.”

A expectativa é gerar cem mil respostas – e, como podemos ver neste link, mais de dez mil usuários já responderam – o que nos dará uma visão mais próxima da realidade do usuário de ferramentas mais complexas nas novas mídias. E por que eu falo isso? Porque parto do pressuposto de que a gente encurta url (deixa que elas fiquem menores, de modo a “ocupar” menos caracteres) quando vai indicar o endereço no Twitter ou eventualmente Facebook ou afins, né? Este usuário é o médio, que não está nem plugado em aplicativos muito complexos (por exemplo, no iPhone, Hootsuite ou TweetDeck para desktop as urls reduzem automaticamente conforme configuração), mas usa suficientemente bem as ferramentas para saber que encurtar a url ajudará muito na sua comunicação.

Se você quiser ajudar, o link para ir ao formulário de questões está aqui.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook