Para erradicar o trabalho infantil a solução é uma só: educação! #semtrabalhoinfantil

Quem viu a reportagem do Jornal Nacional de ontem? Relatório do IBGE mostra que em dois anos, cerca de 600 mil crianças deixaram de trabalhar. Uma redução de 14%. O Nordeste registrou a maior redução. Menos trabalho infantil, mais estudo!

Não consigo incorporar o vídeo, mas republico abaixo o teor da reportagem:

“A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio divulgada na última sexta-feira (21) pelo IBGE mostrou um avanço, ainda que pequeno, em um problema que envergonha o Brasil: o trabalho infantil.

Leandro tem apenas 6 anos de idade e já trabalha com os irmãos em Buíque, sertão de Pernambuco. Eles seguem os passos do pai, que ainda menino aprendeu a usar a enxada.

“Filhos e netos, tudo trabalha na roça. Tem que comer da roça, né? Aí para um pouco de estudar”, fala o agricultor Félix Siqueira.

Nas ruas do interior, na praia, nas feiras das grandes cidades, quase 3,7 milhões de crianças trabalham no Brasil, segundo a pesquisa do IBGE. Um pesadelo presente em todas as regiões.

A lei proíbe o trabalho de crianças no Brasil. Só a partir dos 16 anos é que os adolescentes podem trabalhar. Mas, se no dia a dia encontramos pequenos trabalhadores sacrificando a infância, a pesquisa traz uma boa notícia: o trabalho infantil está diminuindo no país.

Em dois anos, cerca de 600 mil crianças deixaram de trabalhar. Uma redução de 14%. O Nordeste registrou a maior redução. Apenas na região Norte a exploração da mão-de-obra infantil aumentou.

A maioria dos pequenos trabalhadores tem entre 14 e 17 anos de idade e atua na agricultura. Mas a remuneração no campo ainda é uma raridade.

“Independente da classe social, criança não tem que trabalhar. O trabalho precoce só prejudica. Qualquer mínimo percentual, qualquer criança afastada do trabalho infantil é motivo de grande comemoração”, defende a procuradora do Trabalho Débora Tito.

“Se eu pudesse escolher eu não trabalhava. Iria para casa estudar e depois ia para o colégio”, diz José Henrique da Silva, de 13 anos.”

A reportagem coube perfeitamente no mote do especial desta semana das atividades que fazemos para a Fundação Telefônica no Promenino, sobre as quais falei por aqui na semana passada. A educação é o tema do nosso papo mais tarde, às 15h, na nossa fanpage do projeto.


Trabalho infantil não é a alternativa, e sim a inclusão escolar! Você sabia que diversas consequências podem aparecer se a criança mistura a sala de aula com o trabalho?

É o que diz artigo no nosso site, onde crianças relatam problemas especialmente com a jornada dupla. http://bit.ly/SkfeN2
O que você pensa sobre isso?

Comente no papo da fanpage do Promenino.

Leia também:

 

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook