O Palavra Cantada e a história da minha vida como mãe

Trilha sonora para este post:

Uma das minhas grandes alegrias por ser Madrinha da causa de Pritt “Criatividade é o que se usa para construir pessoas” foi saber que, de certa forma, estaria reduzindo os seis graus de separação que tenho com os responsáveis pela canção tema da campanha, Sandra Peres e Paulo Tatit. Sou tão fã deles que não conseguiria nem contar, sabem?

Começou assim: no ano em que eu casei (1996) minha cunhada Aleteia fazia Dança na Unicamp e nos apresentou ao CD Canções de Brincar. Coisa linda, não só de ouvir, mas de imitar nas brincadeiras sonoras como Sopa do Neném e Pipoca. Ganhou meu coração e me deixou com vontade de ter crianças para as quais apresentar aquelas maravilhas, uma releitura muito bem vinda da formação musical infantil, que pode ser complementada com canções do cancioneiro popular (como as que Villa Lobos colheu em suas famosas viagens pelo Brasil e popularizou nas aulas de canto orfeônico das quais meu pai sempre lembra com carinho) e que estava meio mortinha na década de péssimas canções infantis de uma certa rainha…

O Selo Palavra Cantada existe desde 1994, quando os músicos Sandra Peres e Paulo Tatit propuseram-se a criar canções infantis dentro de um novo padrão de qualidade que julgavam merecer as crianças de nossos dias. Dentro dessa perspectiva, procuraram elevar a música infantil a um patamar superior construindo suas melodias, letras e arranjos com extremo cuidado e minuciosidade.

Mudamos para o Japão, engravidei e lá rolava um papo de que os sons que a criança escuta na barriga ficam registrados para sempre na sua memória emocional. Eu lembrei de um filme no qual a moça colocava os fones de ouvido pro nenê ouvir música na barriga e, ao chegar no Brasil, pedi para minha cunhada os CDs emprestados. E escolhemos uma das músicas do Canções de Ninar como a que o papai Gui cantaria sempre pro filhote – Sono de Gibi – além de ouvir muitas delas, cantarolando, todos os dias. Enzo nasceu neste clima, com as vozes de Sandra e Paulo (é assim que meu sobrinho, CJ, #aos2, o novo fã da dupla, se refere aos dois com toda intimidade) sendo tão familiares e amorosas quanto as nossas.

Quando nos mudamos para Sampa, ficando longe de toda família, curiosamente foi do Palavra Cantada o primeiro show que vimos, emocionadíssimos, cantando do começo ao fim em meio a muitos outros pais, mães e crianças apaixonadas por eles.  Hoje nossos CDs favoritos são Canções Curiosas (de 1998) e MilPássaros (de 1999), além das canções da opereta Ramon e Maraó, mas sempre que ouvimos as vozes deles paramos e sentimos o coração alegrar como se um solzinho aparecesse. São os soizinhos particulares que ganhamos quando nossos pequenos nasceram e que aprendemos a amar, acariciar e “aproveitar” em cada momento possível sob a trilha sonora do Palavra.

Hoje é véspera de Natal, para muitos o dia de celebrar como algo especial. Mas eu prefiro celebrar pensando no que tenho de maravilhoso em todos os dias da minha vida. E você, o que tem para cantar aos quatro ventos hoje?

P.S. E abaixo tem um vídeo que Sandra e Paulo fizeram numa brincadeira com as colas e que vai virar trailer de cinema. 😉

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook