#PaisAos40 Translucência nucal e outros marcadores das 13 semanas de gravidez

20121101-105727.jpg

Na semana passada tive consulta na obstetra e foi bom passar o feriado sabendo que eu e a bebê estamos de parabéns. Mas, acima disso, esta consulta depois da ecografia das 13 semanas de gestação é que mais preocupava estes pais aos 40.

Tínhamos visto o laudo da ultrassonografia, mas foi ao conversar com a médica que meu marido se tranquilizou de fato com os resultados da translucência nucal e do osso nasal, marcadores importantes que ficam visíveis nos exames de imagem desta fase.

A Translucência Nucal é medida durante a ultrassonografia realizada entre a 11a e 13a semana gestacional. Se houver um acúmulo excessivo de líquido na região da nuca do feto, aumenta o risco do bebê ter anomalias cromossômicas, malformações fetais e síndromes genéticas.

Uma das síndromes detectáveis com os marcadores da TN é a Síndrome de Down, a mais conhecida das alterações cromossômicas. Nossa preocupação se devia ao fato da idade materna ser um fator de risco. Conta muito também histórico familiar de alterações cromossômicas para calcular o risco e eu já sabia, das outras gestações, que neste quesito estávamos tranquilos, pois não há alterações em três ou mais gerações de parentes diretos.

Mas, independente da idade, toda mulher tem algum risco de dar a luz a um bebê com alguma alteração cromossômica. Se a mamãe tiver 25 anos, o risco inicial é de 1/430, isto é, a cada 430 mamães, 1 terá um filho com anomalia cromossômica. Caso tenha 35 anos, o risco sobe para 1/125.

A partir do cálculo desse risco o médico pode verificar a necessidade de se realizar exames mais invasivos para se ter a certeza do diagnóstico, possibilitando tratamento mais específico e o aconselhamento genético para o casal sobre as possíveis anomalias do seu bebê.

Felizmente por aqui não precisaremos de novos exames e agora é só acompanhar o crescimento da bebê!

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook