Orientando seus filhos sobre o valor do dinheiro

Já falamos sobre orçamento doméstico e as discussões sobre dinheiro quando se casa. Agora é a vez de tratar da educação financeira infantil. Desde pequenos meus filhos têm CPFs próprios e se habituaram a guardar no banco parte de sua mesada, que sugiro que seja 20% do valor (que gira em torno de 1 real por ano de vida, que recebem uma vez por semana.

Independente da idade das crianças, é importante ensinar a conviver bem com o dinheiro. Reuni aqui algumas dicas de especialistas que podem ser úteis para sua família:

  • mostre aos seus filhos que você tanto deposita quando saca dinheiro – é comum as crianças pensarem que as máquinas de saque “dão dinheiro”, ressalte que o dinheiro é seu
  • ensine a diferença entre “querer” e “precisar” – deixe bem clara esta diferença sempre que seu filho (ou você) forem às compras
  • eduque para estabelecer metas e poupar para atingi-las – reuna os valores poupados em locais separados (pode ser um pote de vidro ou um envelope) que contenha a quantia exata para comprar um objeto desejado, tornando palpável a mecânica
  • dê exemplo de como está planejando o futuro – permita que eles escutem seus comentários positivos sobre o uso do dinheiro, como, por exemplo, pagar as contas em dia ou poupar para as férias de verão
  • oriente-os sobre os anúncios – ressalte, quando surgem anúncios como “apenas R$99,90” que o valor é reduzido por um truque de marketing e que é importante analisar os anúncios e não fazer compras por impulso
  • ensine-os a ser generosos – perto do cofrinho, incentive-os a manterem um espaço para “caridade”, onde colocarão uma porcentagem de seus ganhos para doação
    faça escolhas, não sacrifícios – em vez de dizer “não podemos comprar”, use argumentos que expressem escolhas. Desta forma, em vez de sentir que “não” significa sacrifício ou falta, seus filhos aprendem que as escolhas nos levam aonde desejamos
Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook