One of us

Recentemente pude assistir a reprises de duas entrevistas muito agradáveis com Ariano Suassuna. Como não podia deixar de ser, encantou-me a forma como ele conta sua própria história familiar (o pai foi assassinado num imbroglio ligado à morte de João Pessoa) e como conta com simplicidade de sua obra, como se fosse um principiante sem muita fé em si mesmo. Fala tudo com sinceridade e a firmeza que a história e a ciência concedem aos bons docentes. Fiquei ainda mais fã.
Mas continuo sem ter lido um único livro dele. Falha imensa que me faz parecida com muitos brasileiros: apreendo a cultura de meu país pela mídia televisiva e cinematográfica, até mesmo no que concerne à literatura. Por um lado uma pena, por outro uma bênção, pois me orgulha termos profissionais tão bons que consigam nos passar o sabor de um Suassuna nas telas como fez Guel Arraes com o Auto da Compadecida, um dos meus filmes favoritos.
Pois o Teatro Guaíra, em frente ao qual fiz faculdade em Curitiba, celebra Suassuna de 26 a 29 de julho no Mini-Guaíra. E o que é melhor, com entrada franca. Uma das histórias que compôs meu querido “Auto”, a do pai avarento e o porquinho que seria dote da filha estão em “O Santo e a Porca“, peça de estréia do Grutun!, Grupo de Teatro da UniBrasil. A iniciativa é fruto de uma leitura de poemas que os alunos fizeram para próprio autor em sua visita a Curitiba no início de junho. A direção é de Alex Wolf e coordenação de Victor Folquening.

P.S. Parece que não tem nada a ver, mas tem: já prestaram atenção à letra da música One of Us, de Joan Ozbourne? Estávamos ouvindo-a no carro no domingo e traduzindo para os meninos e me lembrei de imediato de uma passagem do Auto em que Jesus se apresenta como um negro para o Chicó, para testar sua fé.
If God had a face, what would it look like“?

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.