Olimpiadas

Hoje cedo li um comentário de que dizia: não lembro de ter vivido de forma tão participativa outra Olímpiada. É verdade. Sem comparação. O twitter (na tag #beijing2008) é uma loucura nestes dias – com já twittei em dias de jogos de futebol já previa – e estou me divertindo. Não acessei ainda a página do Terra, que no Órbita lançou várias novidades tecnológicas – várias para participação do internauta – nestes jogos, mas o Sport TV está ligado aqui o tempo inteiro. Dá-lhe canais de esporte, quanta coisa se aprende, quanta cultura!

Cultura sim, dos países, dos esportes, além de algumas lições de vida. Como mãe, vejo a chance de fazer os meninos descobrirem novas formas de se exercitar, se identificarem com os momentos de superação e aprenderem sobre a “dignidade” da derrota frente a rivais de alto nível. Já pensaram no quanto aquela prova de natação do revezamento 4 X 100 ensina? O nadador americano Michael Phelps, fenômeno anunciado, contou com a ajuda de um “veterano quase aposentado de 32 anos” para ter mais uma medalha de ouro na sua listinha. E a prova foi um fenômeno, pois das oito equipes, cinco bateram o recorde olímpico de 2004, numa mostra maravilhosa de trabalho de equipe.

Na minha família sempre curtimos estes eventos esportivos juntos, como lembrou minha irmã na véspera da abertura. Vi a cerimônia sozinha – meninos na aula, marido no trabalho – e toda aquela beleza ficou quase pela metade. Quando Tiffany era bebê como o Caio, lembro de ter me emocionado com o ursinho Micha com nossa mãe e irmãos na abertura das olimpíadas de Moscou. E acompanhei as Olimpíadas de Sidney, que passaram de madrugada, cuidando (amamentando de madrugada) do Enzo recém-nascido. A Copa do Japão eu fingi que vi, porque grávida do Giorgio, nem aguentava acordada! E na sexta-feira, 08/08/08, cá estava eu curtindo o orgulho de ser brasileira e as deliciosas recordações familiares que estes eventos me trazem. 🙂

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook