Uma das piores coisas que podemos ingerir é… óleo de coco

Quem disse foi Karin Michels em “Coconut oil and other nutritional errors” nesta palestra/aula disponível no youtube para quem entende alemão.

No vídeo, a médica questiona os supostos benefícios da substância e diz:

“(O óleo de coco) É tão ruim quanto veneno puro”.

Professora da Escola de Saúde Pública da Universidade Harvard, nos EUA, e diretora do Instituto de Prevenção e Epidemiologia de Tumores da Universidade de Friburgo, na Alemanha, a médica não traz algo tão novo, pois em junho de 2017, a Associação Americana do Coração (AHA) também se posicionou sobre os ácidos graxos saturados encontrados no óleo de coco, recomendando que as pessoas substituíssem esse óleo em suas dietas por gorduras insaturadas, a fim de reduzir o risco de desenvolver doenças cardiovasculares.

Na ocasião, a AHA destacou que o óleo de coco era tão prejudicial quanto a manteiga. Karin Michels ampliou esta lista, afirmando que “consumir óleo de coco é muito mais prejudicial do que consumir banha”,  porque esse óleo é predominantemente composto de ácidos graxos saturados, e são eles os responsáveis por aumentar o colesterol ruim no sangue.

Além do óleo de coco, outros alimentos que são ricos em gordura saturada são manteiga, queijo amarelo e salsicha.

Já entre os alimentos ricos em gordura insaturada, que é boa para o coração, estão peixes oleosos, nozes, sementes, óleos vegetais e abacate.

Eu divulguei na minha timeline um link, ainda em jornal estrangeiro (hoje todos os jornais brasileiros deram a notícia!), sobre o tema e o que aconteceu foi uma confusão.

O amigo pediatra nutrólogo, professor Dr. Carlos Nogueira, trouxe o posicionalmente formal da Associação Brasileira de Nutrologia:

A ABRAN recomenda que:

– o óleo de coco não deve ser prescrito na prevenção ou no tratamento da obesidade;
– o óleo de coco não deve ser prescrito na prevenção ou no tratamento de doenças neuro-degenerativas;
– o óleo de coco não deve ser prescrito como nutriente antimicrobiano;
– o óleo de coco não deve ser prescrito como imunomodulador.

Posicionamento oficial da Associação Brasileira de Nutrologia a respeito da prescrição de óleo de coco

E o colega jornalista Renato Targa, trouxe outra fonte valiosa:

“Os artigos que se leem na imprensa sobre nutrição costumam ter muitos erros, pois existe uma indústria que alimenta (pun intended) de informação contraditória para confundir a população, como fez a indústria do cigarro décadas atrás. Trazem o ponto de vista de uma pesquisa, geralmente de curto prazo e com amostras pequenas, além de financiamento duvidoso (já que a moeda científica é a quantidade de publicações, a barra da qualidade desce muito). A solução é confiar em estudos mais amplos, mais longos (geralmente de décadas, o que não ajuda na carreira que valoriza quantidade), em meta-análises e com escrutínio de conflitos de interesse nos financiamentos. Quando se olha sob esses critérios, como também faz o NutritionFacts.org, o que ela diz está muito correto, talvez esse seja um dos piores alimentos do reino vegetal.”

Huahom / Pixabay

 

Um dos meus maiores esforços no A Vida Quer, nestes 13 anos de blog, é fazer divulgação científica baseada em estudos mais longos e sobretudo “ensinar” a questionar estudos fechados em pequenas comunidades, com poucos envolvidos, de curto prazo e com patrocínios claros.

Da minha parte, leiga que sou, não aderi ao modismo (em alimentação, como boa alérgica que sou, raramente o faço, prefiro #comidadeverdade, simples e caseira), mas fiquei curiosa para saber a visão de cientistas brasileiros sobre o uso por populações onde este fruto é natural e parte da culinária tradicional. Forçar o povo alemão a ingerir produtos tropicais, tipo coco, seja como importar gojiberry e afins, não? Mas para quem sempre usou, tem um outro olhar e tradição que eu respeito! Tudo com moderação.

Como disse minha prima Tiemi:

Tudo que se consome em excesso faz mal… até o que seria bom para saúde!

Leia também:

O uso do canudinho plástico para tomar a água de coco

Eu acho bonito proibir os canudinhos, mas a conversa precisa ser muito mais profunda e a mudança de comportamento também! Precisamos mesmo “importar” tanto coco da Bahia para nos hidratarmos?

O uso do canudinho plástico para tomar a água de coco

Óleo de coco 1001 utilidades?

Parafraseando o comercial da palha de aço, você também já ouviu falar que o óleo de coco tem 1001 utilidades?

#tbt #oldbutgold Parafraseando o comercial da palha de aço, você também já ouviu falar que o óleo de coco tem 1001 utilidades? Nossa colunista cientista Christina Santos já falava do tema em 2016 e olha, pouca coisa desde que ela divulgou o comunicado da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) sobre o uso do óleo de coco para perda de peso. "Considerando que muitos nutricionistas e médicos estão prescrevendo óleo de côco para pacientes que querem emagrecer, alegando sua eficácia para tal propósito; Considerando que não há qualquer evidência nem mecanismo fisiológico de que o óleo de côco leve à perda de peso; Considerando que o uso do óleo de côco pode ser deletério para os pacientes devido à sua elevada concentração de ácidos graxos saturados, como ácido láurico e mirístico; A SBEM e a ABESO posicionam-se frontalmente contra a utilização terapêutica do óleo de coco com a finalidade de emagrecimento, considerando tal conduta não ter evidências científicas de eficácia e apresentar potenciais riscos para a saúde. A SBEM e a ABESO também não recomendam o uso regular de óleo de coco como óleo de cozinha, devido ao seu alto teor de gorduras saturadas e pró-inflamatórias. O uso de óleos vegetais com maior teor de gorduras insaturadas (como soja, oliva, canola e linhaça) com moderação, é preferível para redução de risco cardiovascular." http://www.avidaquer.com.br/oleo-de-coco-1001-utilidades/ Para entender o imbroglio novo: http://www.avidaquer.com.br/oleo-de-coco/ #oleodecoco #1001utilidades #saude #nutrição #nutrologia #fakenews #agentenãoquersócomida

A post shared by A Vida Quer (@avidaquer) on

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.