Ocio Criativo

Li ontem um artigo (na Época desta semana) que me soou como um eco do meu interior. Às vezes acontece (graças a Deus) de notarmos que alguém pensa como nós, aquela coisa do “tirou daqui” (esta expressão ainda me lembra Viva o Gordo, será que para mais alguém o bordão é do Jô Soares ainda?).

Quem tirou não da minha boca mas dos meus pensamentos a verdade de que um jornalista não têm lazer (pelo menos não lazer cultural) sem ficar pensando numa pauta, em enriquecer a própria cultura ou exercer melhor a profissão foi o Domenico De Masi. Claro, não é de hoje que gosto de sua teoria do Ócio Criativo, deve ter uns dez anos que reflito sobre ela e a cada dia noto-a mais verdadeira. No entanto, creio que para alguns.

O início do artigo já me causou empatia: “O que entendemos por tempo livre? Livre de que? Livre de trabalho. De fato, por um longo tempo, esses dois momentos da vida foram mantidos completamente separados: a produção da fábrica e o consumo em casa.

Aí entram minhas exceções (sempre). Já fui operária, trabalhei em fábrica do Japão como dekassegui por alguns meses, mas mesmo lá, engraçado, naquele ambiente tão fordiano (porque afinal, o sistema de Ford é o clássico do trabalho em série, e eu trabalhava numa fábrica de automóveis) eu nunca deixei de achar que tinha que aproveitar tudo para adquirir cultura. Enfim, continuei uma operária das idéias, como sou até hoje.

Sábado eu estava na manicure. Ela é também professora de maquiagem definitiva e faz unhas de porcelana, que devem ser hits de estética classe média atualmente. Fui conversando, perguntando até que ela me falou:

“Vamos fazer o seguinte: a gente marca uma hora e eu te dou uma entrevista, porque já está saindo uma reportagem!”

Eu ri, mas ela tinha toda razão. Na médica pensei nisto, no Parque da Mônica, enfim, em tudo o que me passa é “boa pauta”, “boa fonte”… que horror!

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.