cinema / destaque / entretenimento

Assisti “O Jantar”, de Oren Moverman, por acidente. Como estudante atrapalhado que sou, confundi os lugares e fui parar na cabine de imprensa errada…

… E que sorte! Porque esse meu erro até que valeu muito a pena!

jantar
O filme é uma adaptação do livro homônimo de Herman Koch e segue a mesma linha sombria e gradualmente reveladora. É angustiante!

Assim que começou – e depois de eu dar conta do meu erro e rir sozinho -, eu já senti um leve ‘quê?’ no ar. Os diálogos e as cenas iam passando e tudo que eu conseguia pensar era: “Que que tá acontecendo? Por que esse casal tá assim, tão aleatório?”

E esse sentimento de tentar entender, a todo o custo, continuou se repetindo durante todo o filme. Quando era revelado um acontecimento e eu parecia estar sacando tudo, os personagens voltavam a conversar de coisas que eu ainda não sabia.

mesa
A história toda é contada ao longo de um jantar de dois casais de uma mesma família. O enredo foi genialmente dividido de acordo com o momento do jantar em que estavam, como: petiscos, entrada e prato principal.

Próximo à metade do filme, os adolescentes, filhos dos casais, finalmente entraram na trama. E é aí que, de repente, o filme tomou um tom sombrio. Eu abri minha boca e, daí pra frente, tudo só piorou.

filho
As personalidades dos casais foram, enfim, se revelando. A história foi se desenvolvendo e, já à sobremesa, minha cabeça estava enroscada com as imoralidades e pensamentos corruptos de cada um ali.

Ao final – abrupto e inesperado – os créditos subiram e meus olhos deixaram a tela e desceram ao chão. Repeti mais uma vez o que dissera durante toda a exibição: “Quê?

Altamente reflexivo. Recheado de revelações e temas como preconceito, relações familiares, corrupções e status quo, ‘O Jantar’ traz a garantia de chocar e incomodar quem quer que esteja assistindo.

Você pode gostar também de ler:
O cineasta Rafael Primot juntou um elenco incrível pra contar histórias de amor. Com Maria Luisa
Desde que fiz meu primeiro detox digital, num verão há alguns anos, eu tenho descoberto
Como lembrou Francisco Russo no Anime Pop, “o bom anime japonês tem por tradição lidar
Eu vi nascer o Fórum Cristão de Profissionais. Estava no culto num domingo em que
Numa semana em que vi discussões sobre censura, política e fé pública (discutindo se líderes
The following two tabs change content below.
Vinii ainda é estudante de jornalismo e tem muito o que escrever pela frente. Paulistano de berço, se esforça pra não se acostumar com o cinza e o cruel de Sp. Acredita que há amor aqui, e em qualquer outro lugar, e luta contra o futuro de Black Mirror.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas