O Sabor das Tradições: Cozinha, Memória e Identidade

Em cinco conferências, pesquisadores abordarão o papel da culinária étnica na manutenção da identidade de grupos imigrantes estabelecidos no Brasil, no ciclo de palestras O Sabor das Tradições: Cozinha, Memória e Identidade. O evento é organizado pelo Arquivo Virtual Histórias Migrantes, parte do Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação (Leer) da USP, com palestras que reúnem pesquisadores vinculados ao laboratório, vindos da USP e de outras instituições.

O que vemos agora é a ponta do iceberg, o resultado de um trabalho longo que o Leer tem feito para resgatar o legado dos imigrantes para mostrar que podem contribuir para a formação dos grupos étnicos locais, o fortalecimento da identidade brasileira e das próprias identidades.

Atividades mais do que necessárias neste momento e nesta realidade mundial tumultuada por discursos de ódio, não é mesmo?

De acordo com a professora Maria Luiza Tucci Carneiro, do FFLCH-USP, que fará a abertura do ciclo, o objetivo dos pesquisadores é destacar as identidades étnicas de diferentes grupos através de suas tradições, como a gastronomia.

“Suas práticas alimentares, a transformação do gosto à medida que essa culinária encontra no país de acolhimento as singularidades dos temperos, a diversidade dos sabores: como esses elementos identitários são transmitidos de geração em geração e como os imigrantes e seus descendentes os perpetuam no tempo e no espaço. Nas investigações, há a tentativa de reconstituir os processos dinâmicos e heterogêneos da imigração e o cruzamento dos costumes desse grupos. A cultura que esse imigrante traz passa por um processo de construção na sua comunidade de origem, depois, por uma desconstrução diante do impacto da imigração e, finalmente, por uma reconstrução.”

Nas palestras, as tradições culinárias de imigrantes açorianos, espanhóis, indianos, italianos e judeus serão apresentadas a partir de histórias, experiências e testemunhos orais, com destaque para o papel das mulheres em suas manutenções e transformações. Uma degustação de pratos típicos será realizada ao final do evento.

A jornalista e professora da Universidade Metodista de São Paulo, Alexandra Gonsalez, coautora do livro Cozinha de Afeto – Histórias e Receitas de Doze Mulheres Imigrantes no Brasil, apresenta a história e a cozinha da chef indiana, radicada no Brasil, Deepali Bavaskar. Com um cardápio repleto de vegetais, curry, cabrito e frango, essa cozinha asiática oferece aos ouvidos pratos com nomes instigantes, como o navratan korma (uma mistura de legumes, frutas grelhadas e castanhas com molho à base de nozes, creme de leite e coco) e chana masala (uma receita do norte da Índia, feita de grão-de-bico cozido em molho de tomate aromático).

Já a culinária italiana, suas raízes caseiras e a popularização na gastronomia paulistana é o assunto de Silvana Azevedo, jornalista e mestre pela USP, autora da dissertação O Léxico da Cozinha Italiana em São Paulo: Autenticidade e Adaptação nos Restaurantes Paulistanos. Esse é o território familiar das cantinas, pizzarias e ristorantes, das massas e molhos, dos nomes italianos ou criativamente abrasileirados: o fusilli (ou parafuso), os pratos à pizzaiola, o polpettone, o onipresente à parmegiana.

A multiplicidade gastronômica da Espanha, com suas especificidades regionais e permanências na cidade de São Paulo, será abordada por Dolores Martin Rodríguez Corner, autora do livro Sabores, Memórias e Imigração: Galegos e Andaluzes. É um passeio pelas sopas, pucheros e empanadas das regiões mais frias da Galícia e pelos gazpachos e salmorejos do clima mais quente da Andaluzia.<

A professora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Elis Regina Barbosa Angelo, autora do livro Trajetórias dos Imigrantes Açorianos em São Paulo, falará sobre a cultura alimentar dos membros desse grupo estabelecidos na Vila Carrão, na zona leste de São Paulo. Bolinho de bacalhau, morcela, alheira e malassada são alguns dos nomes mais ou menos familiares que representam a culinária vinda dos Açores e ganharam as festas de rua da comunidade.

A cozinha judaica encerra o ciclo com a fala do chefe de cozinha e empresário Gabriel Zitune. Ele é autor de Beirute, Mooca, Panelas e Amor, livro que mescla receitas de shakshukas (ovos cozidos em molho de tomate), quibes e sopas à trajetória de sua família, judeus sefaradi emigrados do Líbano para o Brasil nos anos 1920.

É como explica a comenta a pesquisadora Dolores Rodríguez Corner:

“Ao acolher as diversas imigrações e migrações, São Paulo se tornou depositária de múltiplas culturas que se mesclaram em contato com a cultura local. A gastronomia, entendida aqui como cozinha étnica, é o último dos hábitos a ser abandonado pelos imigrantes, uma vez que o gosto é formado no lar de infância, segundo os sabores introduzidos na alimentação, que permanecerão por toda a vida. Assim os sabores e os perfumes, como de um bolo saído do forno há pouco tempo, evocarão momentos vividos, pois estarão impregnados na memória de uma cozinha efetiva.”

O ciclo de palestras O Sabor das Tradições: Cozinha, Memória e Identidade acontece nesta quarta-feira, dia 22 de agosto, às 19 horas, na Unibes Cultural (Rua Oscar Freire, 2.500, no Sumaré, em São Paulo). Entrada grátis. Os ingressos devem ser retirados pela internet neste link.

E vale aqui uma explicação sobre a Unibes Cultural:

Instituição cultural brasileira, inaugurada em 2016, é uma referência em São Paulo por seu formato inusitado, pois conota o modelo do Torá, o livro sagrado judaico. Anteriormente, entre  2003 a 2014, o prédio abrigava o Centro Cultural Judaico.
Aberto ao público, o espaço oferece regularmente eventos gratuitos de música, teatro, cinema, literatura, artes plásticas, fotografia, dança e educação. Divulga o patrimônio cultural judaico e suas origens, a cultura de paz, a coexistência e o respeito entre os povos por meio de atividades articuladas, reflexão e aceitação entre as diferentes culturas.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook