O que fazer com as crianças nas férias de julho?

 O que fazer nas férias de julho, brincar com as crianças nas férias de julho, como se divertir com os filhos, como deixar os filhos felizes, férias das crianças, ficar em casa e brincar de que, razões para ficar em casa, programas culturais de são Paulo, dicas de férias, sugestão de leitura,
“As ferias de julho prometem: sem tarefa, #aos8 me convenceu a deixar testar o jogo online Pandanda (e o melhor amigo dele dá dicas ao telefone!)”

Ficar em pânico com a chegada destas férias que liberam as crianças, mas muito raramente os pais, é algo que já me ocorreu, lá em 2005, primeiro ano com os meninos sem nenhum parente em Sampa e sem empregada-babá também. O caçula tinha 2 aninhos e era muito novo para colônia de férias, quase tanto quanto o mais velho, à época com 5 anos recém-completados.

O que eu descobri foi muita criatividade para criar atividades em casa, envolvê-los em brincadeiras sem minha participação direta (já começando a experimentar o Brincar Desestruturado, do qual depois me tornei defensora), conviver com coleguinhas e sobretudo aproveitar os programas culturais da cidade.

Nas últimas semanas algumas mães e pais me pediram nas redes sociais dicas para as férias com as crianças e estou planejando um especial no blog durante o mês de julho, com sugestões de leitura, audiovisual, jogos online ou offline e atividades culturais externas para as crianças aprenderem sem perceber neste mês em casa.

Convido você a ajudar com suas dicas:

Se tem posts legais com sugestões, faça um poutpourri para republicarmos aqui com links para os leitores do @avidaquer continuarem a leitura no seu blog e assim conhecerem sua visão, que tal? Se você é produtor de cultura e quer divulgar seu trabalho, avise a gente também. E se você (ainda) não tem um blog, não se faça de rogado: mande seu texto ou sua dica para este e-mail e publicaremos aqui no especial, ok?

Posts relacionados

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook