destaque / entretenimento

  
A primeira coisa que temos que reconhecer: não é mais o Vingadores moleque, de raiz, que nos deixou boquiabertos na tela do cinema. O efeito da surpresa e da expectativa em ver pela primeira vez a equipe da Marvel nos cinemas passou. Agora o filme lida apenas com a missão de ter uma história boa. E até tem. É um filme bem correto, num clima bem similar ao segundo filme do Capitão América. Fecha bem essa fase 2 dos filmes da Marvel.

Mas também tem construção de relacionamentos, e uma dose de humor. O filme não é tão sombrio quanto acusavam os trailers. Tem muita piada boa – algumas até repetidas do filme anterior, e quem viu vai sacar rapidinho. Tem ação – e muita ação, desde o primeiro segundo do filme. São tantos os momentos que você pode até perde-los se não prestar atenção. É de tirar o fôlego. Os momentos finais são de arrepiar.

  
A surpresa boa do filme vem dos novos personagens. Dois deles são essenciais para o filme ser recomendadíssimo: o vilão Ultron, que está bem balanceado entre a aparência assustadora e um pouco de humor. E o Visão – que só aparece lá pro fim do filme e é uma das principais motivações da história.

  
O restante da equipe vai enfrentando algumas mudanças. O Capitão América passa a ser muito mais o líder desse grupo, num papel muito antagonista ao Homem de Ferro em termos de visão do que precisa ser feito para salvar o mundo. Esse choque de ideais aparece fortemente no filme e com certeza será um gancho para o próximo filme do Capitão, que promete a “guerra civil” que nós não sabemos como começará. O Hulk está cada vez mais no conflito entre o homem e o monstro, mesmo com a suavidade de um relacionamento com a Viúva Negra – cuja história e motivações conhecemos um pouco melhor. E o Gavião Arqueiro mostra um lado que nunca chegamos a conhecer. Há um balanceamento de importância na equipe que é salutar. Isso é bom para sustentar o elemento chave dos Vingadores, a aliança entre os personagens. E isso vai ser colocado à prova, já que no final do filme há uma debandada de alguns personagens. Outro ponto interessante é a dinâmica dos dois novos personagens, Mercúrio e Feiticeira Escarlate. Para a minha incredulidade, não é que os irmãos funcionam bem no filme? Eu nunca imaginei a Wanda com sotaque, mas agora não imagino sem!

A Era de Ultron não é o melhor filme da Marvel dessa fase 2 do Universo Cinematográfico deles. Eu ainda fico com Guardiões da Galáxia. Mas o filme é bom, e acerta bem mais do que erra. É diversão garantida, cheio de elementos de ação, efeitos impressionantes e bom ritmo – importante pra seguir por quase 3 horas de filme. Deixa a gente ansioso pela próxima fase, onde veremos os Vingadores indo além do planeta Terra.


Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas