O Cantareira esboça reação, mas falta água em muitos pontos do Planeta

Estou viajando por Minas Gerais e aqui também, como em Sampa, o assunto é economia de água. Em dezembro estive em Curitiba e ouvi o mesmo por lá, os reservatórios estão aquém da capacidade e, pior, da necessidade. No Rio, pelo que amigos me contam, não está melhor.

(null)

E pelo visto o mundo finalmente terá que encarar esta questão que há muito tempo incomoda quem acompanha os temas ligados à sustentabilidade.

Noticia internacional conta que a falta d’água também afeta estado da Califórnia. A cidade de San Diego aprovou por unanimidade um projeto de US$ 2,5 bilhões para reciclar água usada. Em meio a seca que atinge o estado norte-americano da Califórnia, os vereadores municipais, por 9 votos a 0, referendaram o novo plano para tratamento de esgoto, com o objetivo de deixá-lo próprio para o consumo humano. Por unanimidade, vereadores de San Diego aprovaram plano de US$ 2,5 bilhões para tratar água do esgoto.

(null)

Esgoto? Pois é! Tem situações dificílimas pelo mundo e a gente aqui evitando guardar água de chuva e reutilizar água da máquina de lavar roupa na limpeza doméstica.

O relatório Glass 2014 divulgado pela OMS divulgou panorama hídrico do planeta: 750 milhões de pessoas não têm acesso a recurso potável e cerca de 1,8 bilhão de indivíduos fazem uso de fontes hídricas contaminadas com sedimentos — mais de 1 bilhão ainda não têm condições básicas de saneamento e defecam ao ar livre.

O texto lembrou que o acesso à água potável e ao saneamento adequado tem implicações em uma ampla gama de aspectos, desde a redução da mortalidade infantil, passando pela saúde materna, ao combate de doenças infecciosas, à redução de custos sanitários e ao meio ambiente.

(null)

O estudo mostrou que nas duas últimas décadas 2,3 bilhões de pessoas passaram a ter acesso a fontes de água melhoradas. Nesse mesmo período, portanto, o número de mortes de crianças por causa de doenças diarreicas — com forte relação ao saneamento precário — caiu de 1,5 milhão (1990) para 600 mil (2012).

“Claro que podemos dizer que melhorou muito, mas 600 mil crianças continua sendo um número enorme”, declarou em entrevista coletiva María Neira, diretora de Saúde Pública e Meio Ambiente da OMS.

Como discordar?

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.