Novos rurais e uma ecocasa no Dia da Terra

“O dia Mundial da Terra é comemorado no dia 22 de abril. A data surgiu nos Estados Unidos na década de 70 quando o senador Gaylord Nelson organizou o primeiro protesto nacional contra a poluição. Mas foi só a partir da década de 90 que a data se internacionalizou, ou seja, outros países também passaram a celebrar a data.”

 

Yes nós temos laranjinhas... No vaso da varanda da @otagaissama :-)
Yes nós temos laranjinhas... No vaso da varanda do meu escritório na @otagaissama 🙂

O que faz a gente comemorar um dia como o Dia da Terra? Quando ouvi falar desta data pela primeira vez eu me perguntei exatamente isso, não reclamando, afinal, coincide com o dia do Descobrimento do Brasil, o que me faz simpatizar muito com a data, mas para pensar sobre o que podemos fazer neste dia.

Creio que, com base no que foi o surgimento desta data, podemos optar por protestar. E, de fato, muitos protestos costumam envolver o dia no mundo todo. Outra opção seria falar sobre o dia, seguindo a linha da narrativa que marcou o descobrimento da nossa terra (na famosa carta de Pero Vaz de Caminha que data o descobrimento do Brasil). Neste dia eu opto por mesclar um pouco os dois e sugerir por escrito propostas, que é o que tenho feito nestes sete anos de @avidaquer.

Minha sugestão é de que você conheça os movimentos que, ao invés de criticar a presença humana nas cidades, procura torná-la útil para preservar não só a natureza, mas o legado de nossa presença urbana e do conhecimento ancestral que estamos deixando para trás nas grandes cidades.

Começo pelos telhados verdes com uma notícia simpática: Toronto é a primeira cidade na América do Norte a promover oficialmente os telhados verdes. O telhado vivo, sobre o qual já falamos aqui ao estimular a permacultura, não só é incentivada por lá, como se tornou uma obrigação. Uma nova lei local prevê que todos os edifícios residenciais, comerciais e institucionais com mais de 2 mil m2 de ter entre 20% e 60% telhados vivos. Em vigor desde o início de 2010,  a lei passa a valer mesmo em 30/04/2012.

As mudanças no edifício sede da prefeitura de Chicago nos fazem pensar como seria se todas as cidades decidissem investir nisso

Na foto que ilustra o post é possível ver como uma medida assim pode mudar uma cidade. As mudanças no edifício sede da prefeitura de Chicago nos fazem pensar como seria se todas as cidades decidissem investir nisso. Em São Paulo temos um telhado verde muito elogiado na prefeitura também. Segundo po blog Árvores de São Paulo, nele estão árvores de grande porte como várias palmeiras-jerivá (Syagrus romanzoffiana) e até pau-brasil (Caesalpinia echinata).

“Vegetação densa em cima de construções traz serviços ambientais – diminuição da temperatura urbana, umidificação do ar, abrigo da avifauna, retenção de barulhos, poeira e água das chuvas – fundamentais para a qualidade de vida e saúde de toda a população.
Outro aspecto importante é a possibilidade dos telhados verdes recriarem elementos da biodiversidade original,  destruída para a necessária construção da cidade, com plantas nativas de diferentes tamanhos e funções ecológicas, sendo mais que um simples jardim, um agente de reequilíbrio ambiental urbano.”

Vale a pena investimento?

As prefeituras garantem que sim, que até gera economia nas contas de luz e água. Mas, além do resfriamento da cidade, os telhados verdes criar um ar mais limpo, água limpa, fornecendo um oásis de tranquilidade para as pessoas, pássaros e insetos, recriando nosso ambiente e revendo a ideia da sustentabilidade de nossa presença nas cidades.

E se você não está na cidade grande ou se sente que não pode mudar ou influenciar as decisões dos governantes? Comece as mudanças no seu espaço. Duas ideias vindas da Europa seguem uma linha semelhante, que busca a integração e convivência saudável entre homem e ambiente nas cidades me animaram muito nos últimos meses. Tenho seguido suas publicações (geralmente fotos) com imensa alegria no Facebook e convido-os a acompanharem também.

Movimento Novos Rurais

O movimento Novos Rurais convida-nos a participar das mudanças começando em nosso quintal. Como os grupos que já citei aqui e que trabalham com Agricultura Urbana eles se entusiasmam com as pequenas iniciativas que buscam reviver a produção doméstica de alimentos (as hortinhas, mesmo que pequenas, de temperos, feitas para consumo proprio) e acabam engajando ovens, executivos, empreendedores que fogem do estresse cotidiano unidos por uma causa em comum.

E na fanpage de EcoCasa Portuguesa conhecemos um projeto lindo, que funciona em Portugal, mas poderia ser trazido para o nosso interior (e até para as cidades, com bairros como a minha Mooca querida). Nele as “Casas Adormecidas – Um Passado com Futuro” pretende reviver e cuidar de “casas que parecem dormir. Estão apenas à espera que alguém se apaixone por elas, as recupere e desperte para uma nova vida”. Trata-se das casas antigas, mas ainda em bom estado, que estão vazias ou mal cuidadas no interior. Revivê-las, ao invés de pensarmos unicamente em construir coisas novas e criar projetos imensos, é um projeto sustentável que eu, você e nossa comunidade poderíamos assumir neste Dia da Terra e que faria do mundo um lugar mais bonito para se viver.

P.S. Neste link do blog Luz de Luma você pode ler bons motivos para adotar o telhado verde. E no MudaRock hoje tem post sobre desconto na conta de luz para quem usar energia de fontes renováveis no Brasil.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.