Não incapacite suas crianças tornando suas vidas fáceis

"Não incapacite suas crianças tornando suas vidas (muito) fáceis."

“Não incapacite suas crianças tornando suas vidas (muito) fáceis.”

O feriado no clube, vendo crianças que são excessivamente “acompanhadas” por adultos, me fez relembrar desta frase que tinha visto nas redes sociais dias antes. E me fez pensar – muito – sobre a imensa diferença que faz estarmos disponíveis e dispostos a conviver e apoiar nossos filhos e, por outro lado, desejar orientar sua vida no caminho que consideramos o melhor. Em especial quando caímos na armadilha de pensar que poderemos tornar o caminho deles mais suave, mais leve, mais fácil, nós incorremos no erro de nos considerarmos de alguma forma onipotentes, passando facilmente desta postura para a de oniscientes que desejam ser onipresentes.

Enfim, ser mãe e ser pai não é tarefa nada fácil, é uma eterna busca pelo equilíbrio.

Leia também: Einstein teve tempo para brincar

Nesta terça estarei num encontro que vai debater parte disso e ainda nos dar chance de refletir sobre as ofertas tecnológicas que fazemos aos nossos pequenos e às necessidades que criamos neles a partir de nossa ansiedade de acertar.

O 4º Seminário REVISTA CRESCER – Famílias Contemporâneas traz um tema que me é precioso: a importância do brincar para as crianças. Partindo da importância das brincadeiras em grupo, dos jogos individuais e dos brinquedos eletrônicos; o tempo certo para cada atividade e como conduzir da melhor maneira possível a hora mais esperada pelo seu filho, o evento será dividido em dois painéis, por idade, atee 3 anos e dos 4 aos 8.

Leia também: Educativo, bonito e sustentável é o “brincar desestruturado”

Vou esperançosa, desejando ouvir falar mais do que me encanta no universo infantil: a busca pelo brincar desestruturado, aquele no qual não há intervenção direta nem regras pré-estabelecidas por adultos para a ludicidade. E na volta tentarei contar para vocês o que ouvi por lá!

😉

P.S. E para quem se lembra, o clube é aquele mesmo que me fez escrever sobre DS no parquinho.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook