Nada será como antes: espetáculo em homenagem aos 50 anos de carreira de Milton Nascimento

20130423-230116.jpg

Nunca nada será como antes. Ou, quem sabe, tudo sempre será como foi porque a constante em tudo somos nós.

Dentre mil outras reflexões e sentimentos, foi um pouco desta constatação que bateu forte no meu peito enquanto via e ouvia o espetáculo em homenagem aos 50 anos de carreira de Milton Nascimento. Ouvi tanto suas músicas na minha infância e adolescência, sentia-me transportada para outros momentos meus e, ao mesmo tempo, para o mundo que “uso emprestado” dos meus filhos. Em certo ponto, ao ouvir Claudio Lins cantar lindamente Caçador de Mim, senti minha bebê (a duas semanas do parto, ou seja, bem ativa na barriga), reagir ritmadamente ao que ouvia. Chorei mansamente, pensando no quando esta linguagem, a da música, é maravilhosa e no quanto Milton é um ser especial em sua capacidade de musicar o que nos vai na alma.

Viram como gostei? Por isso não queria estar no lugar de quem fez a curadoria do espetáculo. Já pensaram no “sofrimento” de escolher o que mostrar ou não em 50 anos de obra de um cara destes?

20130423-230145.jpg

Li que ao se debruçarem sobre a vasta lista de clássicos de Milton, Charles Möeller e Claudio Botelho decidiram que a obra do artista mineiro seria a grande homenageada em ‘Milton Nascimento – Nada Será como Antes – O Musical’ e optaram não pela biografia, mas pela travessia, mostrando a obra e não a vida do autor, criando uma revista musical sem texto, onde cada canção ou pout-pourri ressurgem em cenas, diálogos e situações dramáticas.

Quando soube disso me encantei, pois era o mesmo “modelo” que vi em Beatles Num Céu de Diamantes, espetáculo de Möeller e Botelho que assisti em 2009. Fãs como eu da obra de Milton, foi surpreendida com sua constante presença na plateia de seus musicais e foi após assistir o espetáculo que homenageava o quarteto de Liverpool pela oitava vez que Milton retomou uma conversa de alguns anos com os diretores sobre as possibilidades de ser criado um musical com suas canções e deu total liberdade na criação do novo trabalho.

20130423-230225.jpg

Outra característica que me agradou nos dois espetáculos foi o fato de termos no palco praticamente o tempo todo o grupo de atores e músicos que dá voz a temas fundamentais da música do artista (que chamamos de mineiro, mas nasceu no Rio), trazendo amor, amizade, criação artística, negritude, brasilidade e solidão. Ver como todos os atores tocam e se revezam em vários instrumentos , cantando, sem divisão entre orquestra e atores, com todos atuando como uma única voz a serviço de brilhante obra musical de Milton Nascimento é um encanto extra.

Marya Bravo, Claudio Lins, Tatih Kohler, Pedro Sol, Estrela Blanco, Jules Vandystadt, Cassia Raquel, Fabiano Salek, Wladimir Pinheiro e Sergio Dalcin dividem a cena com os músicos Délia Fischer – também responsável pelos arranjos –, Lui Coimbra, Whatson Cardozo e Pedro Aune.

20130423-230352.jpg

E o que esperar? Desde composições que remetem a um solar imaginário interiorano (‘Bola de Meia, Bola de Gude’, ‘Aqui é o País do Futebol’) compõem o ‘Verão`, ‘A Cigarra’, ‘Um Girassol da Cor do seu Cabelo’ e ‘Nuvem Cigana’ aos clássicos que atravessaram gerações (‘Cais’, ‘Caçador de Mim’, ‘Encontros e Despedidas’ e ‘Faca Amolada’), passando por ‘Nada Será como Antes’ e ‘O que foi Feito Devera’, numa viagem pelas quatro estações. Segundo os produtores, “cada canção tem uma ideia, uma cena fechada, que tem uma ligação nem sempre explícita com a seguinte. São histórias dentro de uma mesma história‘”.

Depois de duas temporadas de enorme sucesso no Rio de Janeiro, o espetáculo estreia dia 22 de março, no Teatro GEO, onde fica em cartaz até 26 de maio. E nestas comemorações de aniversário do @avidaquer um leitor será premiado com um par de ingressos para conferir o espetáculo. Veja aqui como participar.

Abaixo veja alguns vídeos para se animar!

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.