Música no trabalho melhora rendimento profissional

Comecei a semana num workshop com pessoas super interessantes e, em certo ponto do intervalo do almoço, o papo recaiu na música. Uns ouvem no fone, outros precisam deixar alto pra compartilhar, havia gente com playlists do iTunes ou do YouTube para acompanhar o dia e alguns até ouvem rádio, como eu. Só uma coisa unia todos: a necessidade de ouvir música enquanto trabalha!

Eis que descubro uma pesquisa da professora de terapia musical na Universidade de Miami Teresa Lesiuk, que investigou como a música afeta o desempenho no trabalho. Seus resultados mostram que quem ouve músicas durante o horário profissional conclui as tarefas mais rapidamente e têm ideias melhores.

Um dos motivos é óbvio para quem gosta de música: ela melhora muito o humor. Mas também pode piorar. Quando você está estressado pode tomar uma decisão equivocada por ter um foco muito estreito de atenção, mas, num estado de espírito positivo é capaz de pensar em mais opções.

A professora confirmou também que a escolha pessoal na música é mesmo muito importante. A ciência explica que os sons melodiosos ajudam a incentivar a liberação de dopamina na área de recompensa do cérebro. A reportagem que li explicava bem: o prazer com a música que apreciamos garante a mesma sensação de quando comemos uma guloseima, olhamos algo apelativo ou cheiramos algo com aroma agradável.

Há outro ponto aqui: a música pode nos trazer lembranças boas – e ruins, transportando-nos para outro lugar, espairecendo e aliviando a rotina. Mas vale lembrar: nem toda empresa libera música alta e algumas não acham tão legal o cara ficar ligado no fone e desligado do ambiente produtivo o tempo todo. A dica é se ajustar – ou mudar para onde suas músicas sejam do gosto da maioria!

Conte aí: como é sua rotina com trabalho e música? E como seu ambiente e colegas de trabalho reagem às suas escolhas? Cada um ouve a sua ou tem um DJ do dia? 

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook