sustentabilidade

“How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone”
Bob Dylan, em Like a Rolling Stone

Bob Dylan - Like a Rolling Stone

Dia do Rock, 13/07… passei o dia aproveitando as setlists dos amigos no Twitter e Facebook, cada um postando vídeos diferentes de bandas de rock que marcaram a história (a sua, a minha ou a nossa) e só um dos meus contatos lembrou de onde veio a data e como há 26 anos uma atitude rock’n roll reuniu músicas e artistas e começou um novo ciclo na história das bandas. Foi @cler que relembrou, no Hit na Rede, como tudo aconteceu:

“A questão é que nesse dia, em 1985, uma galera arregaçou as mangas e colocou o rock à serviço da humanidade por meio do Live Aid. Organizado por Bob Geldof o evento tinha como nobre objetivo angariar fundos para amenizar a situação das milhares de pessoas que passam fome na África.
(…)
O evento contou com a participação de diversos artistas, entre eles Queen, The Who, Paul McCartney, Led Zeppelin, David Bowie, Elton John, Neil Young, Eric Clapton, Bob Dylan, Mick Jagger, Keith Richards, Dire Straits, Phil Collins, Elvis Costello, Bryan Adams, Judas Priest, Duran Duran, Sade, Madonna, Black Sabbath, Pretenders entre muitos outros.”

O legal é que foi apenas uma semente, na verdade plantada lá atrás, em festivais como Woodstock, que começou a mostrar que além de gostar de música (ter bom gosto? :p ) quem está envolvido com o rock tem uma postura, uma personalidade, um comportamento de quem não fica inerte diante da vida, de quem não quer ficar parado e criar limo, quer estar em constante mutação de suas ideias, buscando algo melhor e acreditando que existe mesmo um jeito melhor de fazermos as coisas juntos.

Da parafernália que foi o LiveAid aos festivais focados no ativismo (como o Lollapaloza, que descobri com @djmisscloud), teve muito chão até que a música reunisse gente boa e interessada e não perca no caminho as chances de ajudar de fato a sociedade a se rever, a consertar falhas (ajudando etíopes, salvando o planeta, criticando o preconceito…) e a evoluir.

E chegamos ao ponto em que ações mesclam rock e ativismo social ao nosso alcance. No lançamento do Ano Internacional das Florestas da ONU conheci um projeto que tem esta pegada: o Movimento Ecorockalismo, que buscar aliar a contestação do rock com a preservação do meio ambiente. Hoje tive a satisfação de vê-lo comentado em dois blogs de sustentabilidade que leio – Sustentavel 2.0 e EcoVerde – reforçando a ideia que ouvi do “pai” do movimento (e do personagem Hummingbird), Sérgio Szmoisz, que divulga com entusiasmo a primeira ação do movimento, o MudaRock, que promete plantar uma árvore a cada download de música feito no site, buscando alcançar a meta de plantar 1.000.000 (um milhão!) de árvores nativas do Brasil.

No vídeo de divulgação da campanha vemos nomes do rock nacional – Skank, Sabonetes, Cachorro Grande, Fresno, Nando Reis, Theo Reis, Joe, Martin, Kiko Zambianchi e China – apoiando a causa, ligada à iniciativa “Plantemos para o Planeta: Campanha Bilhões de Árvores” promovida pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Mas considero que tão importante quanto o movimento alcançar artistas que nos inspiram, é alcançar gente como a gente, autores e leitores de blog, pessoas que acreditam no inacreditável e seguem falando deste mundo melhor, reunindo pares, iguais, amigos, companheiros de jornada. Pensei muito na força desta empatia e afinidade que nos une quando recebi, exatamente nesta semana, uma camiseta do Ecoblogs – que também falou do MudaRock aqui – com uma frase da amiga @deniserangel, uma respeitada blogueira ambiental com quem compartilho a fé num mundo melhor, mais justo, mais culto, mais acessível e, por quê não, com resíduo zero.

Eu acredito – e você?

Você pode gostar também de ler:
Alguns sabem, outros não ainda: além de editar o A Vida Como A Vida Quer,
Hoje foi um dia épico. No meio do exame de troca de faixa dos meus
Desde que escrevi no MudaRock sobre as atividades do empréstimo de bicicletas no Rio de
Dois textos recentes do blog comentavam, há poucas semanas, a chegada da iTunes (loja virtual
[Comecei meu 11/11 assim, no aeroporto, levando os filhos para sua primeira viagem desacompanhados. E
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas