Todo chá é uma infusão, mas nem toda infusão é um chá

Recebi uma sugestão de pauta que dizia: inverno, aberta a temporada do chá.

Internamente, eu sorri. Criada por uma amante do chá, com Batian em casa, eu tomo chá o ano todo, frio, quente, gelado, morno, no inverno, no verão, na primavera, no outono… quem precisa de motivo para tomar chá?

Bom, a verdade é que muita gente precisa e toma como “remédio”.

O almoço pesou? Dá-lhe um chazinho digestivo.

Pressente uma insônia? Faz um chazinho calmante.

Quer queimar calorias? Vamos testar aquele chá que a amiga indicou.

E assim vai!

Acho bom ter consciência de que a excelente companhia para a hora da pausa, para compartilhar uma agradável conversa e também para aquecer os dias frios do outono/inverno, é também uma bebida viva, com propriedades medicinais e com efeitos colaterais.

Não é a toa que o chá é uma das bebidas mais consumidas do mundo, perdendo apenas para a água, e ele merece atenção e cuidados no consumo!

Um detalhe importante para quem quer iniciar nesse universo é diferenciar os tipos e escolher corretamente, afinal todo chá é uma infusão, mas nem toda infusão é um chá.

“O chá verdadeiro é produzido a partir da planta Camellia sinensis, originária da China. Dela, obtém-se as variedades branco, amarelo, verde, oolong (entre o chá verde e o preto), preto e escuro”, explica a sommelier e idealizadora do Diário do Chá, Helena Leigue.

A única diferença entre elas é o processo em que as folhas são expostas, que confere sabor e cor características a cada uma.

Um erro muito comum é considerar chá as diferentes bebidas obtidas a partir de diversas plantas. Ou seja, todas as bebidas que não são feitas a partir da Camellia sinensis são classificadas como infusões ou tisanas. No Brasil, são encontradas diversas delas, como camomila, hortelã, erva cidreira, erva mate, capim limão e hibisco.

Os tipos mais comuns no mercado nacional são os “chás de saquinho” e as folhas secas. Eu sempre opto por chás de folhas que conservam os óleos essenciais e preservam o aroma, sabor, cor e textura. Para mim, a praticidade não vence a qualidade e o sabor.

Quanto mais inteiras as folhas estiverem, melhor é a qualidade do chá.

 

A sommelier de chás aponta dois erros mais comuns na hora do preparo: a temperatura da água e o tempo de infusão.

“Dependendo do tipo e da temperatura da água, você pode acabar queimando a folha e, ao invés de conseguir uma infusão saborosa, o seu chá ficará amargo. Se você gosta do seu chá mais forte, o recomendado é colocar mais erva e não deixar mais tempo na infusão. Para evitar erros, a especialista aconselha sempre conferir a embalagem. Nela, estão informados o tempo e a temperatura ideal para cada tipo de chá.”

Saiba mais sobre a temperatura e o tempo de infusão de cada tipo de chá:

  • Branco: 70°C a 85°C, por três a cinco minutos
  • Verde e Amarelos: 60°C a 80°C, por um a três minutos
  • Oolong: 85°C a 95°C, por dois a cinco minutos
  • Preto: 90°C a 95°C, por três a cinco minutos
  • Escuro: 80°C a 95°C, por um a cinco minutos
  • Infusão de frutas/ervas: 100°C, por cinco a dez minutos
YUKIHIDE / Pixabay

Ah, e os chás de cascas de frutas? Minha amiga Vilma me ensinou a fazer um incrível, fervendo por uns 1o minutos cascas de 1 abacaxi e de 1 maracujá com uma maça inteira cortada em pedaços, mais um pau de canela e 6 cravos da Índia. No final, depois de coado, incluimos algumas folhas de hortelã fresca para refrescar o paladar. Ela começou caramelizando açúcar, depois colocou água fervente e as cascas de frutas e temperos, mas eu, que gosto de chá sem adoçar, estou repetindo em casa sem esse artifício. Fica divino, tanto quente quanto gelado!

 

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.