cultura web

Você já usou sites especializados em colocação profissional e carreira?

Eu nunca me cadastrei em um com vistas a encontrar uma vaga, mas já coordenei uma ampla ação online para uma agência de empregos no Japão. O trabalho durou dois anos e consistia na viralização dos diferenciais da empresa através de redes sociais. Iniciei este trabalho em  2006, quando o orkut era pouco acessado no Brasil (ainda não tinha acontecido a inclusão digital com o barateamento dos computadores pessoais), mas foi meu foco porque já era muito popular entre os nipo-brasileiros e já se mostrava como o grande espaço de troca e de convívio social virtual das famílias dekasseguis.

Eis que na semana passada fui convidada a conhecer o site da Monster Brasil, empresa com experiência em recursos humanos em vários países e que agora investe pesado no mercado 2.0 no país. Interessante para quem tem interesse numa vaga diferenciada, eventualmente no exterior, ou para quem valoriza muito a networking e está disposto a trocar idéias e trabalhar com pessoas de culturas e países diferentes. Para isso, há um bom espaço no site para que as pessoas se conectem, como podem ver aqui.

Achei um pouco complicado de encontrar pessoas e as categorias não me ajudaram… acredito que estamos ficando “viciados” em encontrar amigos por meio de ferramentas que caçam automaticamente os contatos utilizando nossas senhas de acesso ao gmail/hotmail. E neste caso esta ferramenta fez falta, acabei não tendo paciência de procurar ninguém. Um bom formato seria talvez aquele do Linkedin que indica pessoas que trabalham em áreas ou empresas em comum.

monster-brasil-conexoes-08-06-2009-12-26-19bmp

Visitando-o com olhar arguto, acabei revendo mentalmente ferramentas que eu sugero para quem está na área de RH:

  • a ação em fóruns de discussão no site ou comunidades em redes sociais (orkut, via6, facebook) com dois objetivos principais: atrair profissionais do segmento e ao mesmo tempo viralizar a existência e a ação da empresa (recrutamento/recolocação profissional).
  • evitar uma página inicial muito poluída e dar identidade visual, porque a “aparência genérica” do estilo “banco de imagem” tira credibilidade – especialmente se os usuários forem experientes na web (o usuário 2.0).

Quando lançamos mão de uma ferramenta como um banco de currículos online para nos auxiliar na colocação profissional, nosso foco se volta para as possíveis empresas que o site atende. Se na web 1.0 as empresas desta área alardeavam um número imenso de clientes (tanto de profissionais quanto de empresas) cadastrados, na web 2.0 a busca é pela verticalização, foca-se no nicho profissional que nos interessa. Quando você entra num site e vê as marcas dos clientes, sabe para onde pode ir se continuar por lá 😉

monster-brasil-clientes-08-06-2009-10-17-41bmp

  • Na primeira página senti falta de um foco dos clientes, de saber, logo de cara, que tipo de empresa vai ver meu currículo na Monster Brasil para me contratar.
  • manter um bom relacionamento com a assessoria de imprensa dos clientes é fundamental. Parece que não tem sentido, mas, ao divulgar as informações mais recentes sobre a empresa que é sua cliente, é possível alcançar a melhor fatia do mercado (os profissionais mais qualificados estão antenados com estes dados). Por que não manter um espaço para divulgar notas dos clientes, oferecendo-as por meio de um blog corporativo da empresa ou com espaços de rss feed de notícias dos sites deles?
  • com relação ao cadastro (testei o do Monster cadastrando o meu próprio)

E por fim, uma dica para quem se cadastrar lá: usem um nome atraente para o contratante.

monster-brasil-perfis-e-apelidos-08-06-2009-12-05-02bmp

Fui ver quem eram os últimos a se cadastrar e percebi que, como acontece no Twitter, as pessoas não percebem que seu nickname ficará visível. Visto que o Monster já tem vários usuários cadastrados, uma alternativa seria que o próprio site desse aos usuários a chance de escolher um apelido público e outro privado ou que já os orientasse a escolher um que lhe defina de forma profissional.

a-cabeca-de-steve-jobs1O  MonsterBrasil.com quer saber a opinião dos usuários do site e dos formadores de opinião. Você também pode criticar, sugerir (ou elogiar!) o site em um post no seu blog (ou com alguns microposts no Twitter) e poderá ganhar um dos exemplares do livro  “A Cabeça de Steve Jobs (de Leander Kahney, publicado pela Ediouro)”* que estão reservados para os leitores do blog A Vida Como A Vida Quer.

😉

Mas seja rápido! Ganham os dez primeiros posts em blog ou twitter derivados deste aqui.

Este post é publieditorial.

artigopatrocinado

* Os livros serão enviados por correio até dez dias úteis após a divulgação dos ganhadores neste post e serão enviados diretamente para o endereço dos ganhadores pela assessoria do site Monster Brasil em parceria com a FNAC.

Você pode gostar também de ler:
Se um dia o Orkut me trouxe de volta a turma da escola, o Facebook
Ter filhos é reaprender a dar valor e tomar cuidado com as mínimas coisas da
Uma das melhores coisas das redes sociais e da web 2.0 é a possibilidade de
"Reconhecida como Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco, a Reserva Natural Salto Morato está localizada
[update] Agradecemos muito o entusiasmo e a participação dos leitores e seguidores do Twitter hoje.
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas