Modernismo em quadrinhos para homenagear São Paulo

No começo do ano, a propósito de uma pauta sobre cursos de férias para adolescentes, revivi um pouco da história de Mario de Andrade para meus filhos. Como boa parte dos amantes desta cidade maluca onde vivemos, eles não são paulistanos de nascimento, mas adotaram e foram adotados pela Paulicéia e sentem-se daqui. Eu, paranaense de sotaque e de famílias imigrantes que lá acharam seu lugar no mundo, me sinto também uma refém deste lugar onde parece ter um pouco de tudo do mundo.

<3

E Mario de Andrade entra aqui porque ele é uma parte, uma descrição, um sinônimo de São Paulo. Se quando eu nasci Caetano Veloso cantava em Sampa que Rita Lee era a mais completa tradução da cidade, quando os avós dos meus filhos nasceram Mario e sua turma retratavam a cidade que nunca para.

Mas como apresentar a obra do autor de Macunaíma para jovens leitores?

Eu nunca tinha descoberto um caminho bom! Até me ler a seleção proposta pela Editora do Brasil e adaptada para quadrinhos por Francisco Vilachã.

Na adaptação para quadrinhos “O Peru de Natal e outros contos de Mário de Andrade” quatro contos desse grande escritor modernista foram selecionados e abordam temas como relacionamentos, sonhos, ética e ciúme. “O Peru de Natal” e “Vestida de preto“, ambos extraídos de “Contos novos”; “Será o Benedito!“, publicado em um jornal da época; e “Caim, Caim e o resto” que foi extraído do livro “Os contos de Belazarte”.

Impossível não se ver, pensar em parentes ou relembrar histórias de família no conto que abre o livro. Em “O Peru de Natal” conhecemos a história de Juca, personagem com os traços do autor, que está cansado de cultivar o luto pela morte de seu pai e resolve cometer um desatino no Natal, que assusta os familiares e principalmente a mãe, acostumada a se contentar com as migalhas do peru na ceia.

O conto seguinte, “Vestida de preto”, traz as lembranças fortes do primeiro amor de Juca pela prima Maria, com lembranças de férias com primos, de tias generosas e controladoras, de quando as brincadeiras mudam de figura e o mundo passa a girar em torno de si, de necessidades próprias, de mudanças internas e de um certo descaso com o mundo exterior – tudo característica da adolescência e parte do que esperamos que passe quando amadurecemos, mas que nem sempre passa tão rápido!

Já em “Será o Benedito!”, o narrador traz as ironias da vida e do viver na visita à Fazenda Larga e no encontro com Benedito, um menino curioso e cheio de sonhos. Foi meu conto favorito, meigo, delicado, empático, ao mesmo tempo em que um retrato cruel do racismo, da diferença de classes, da imbecil superioridade intelectual e cultural.

E, para finalizar, “Caim, Caim e o resto”, apresenta a vida dos irmãos Aldo e Tino retratando o dia a dia na periferia de uma cidade grande nos anos de 1920, e as semelhanças com os dias atuais. Como não pensar nos bisavós dos meus filhos que mudaram de Bauru para cá nesta época?

Para completar esta viagem por uma São Paulo tão idílica, deixo uma dica: visitem a Casa Mario de Andrade, na Barra Funda, e a Biblioteca Mario de Andrade, na região do Anhangabaú, pertinho do Teatro Municipal onde, em 1922, ele e os amigos mudaram os rumos da nossa cultura.

🙂

Serviço:

  • Autor: Mário de Andrade
  • Adaptação em quadrinhos: Francisco Vilachã
  • Formato: 17 x 26 cm
  • Número de Páginas: 80 páginas
  • Preço sugerido: R$ 44,80
  • Editora do Brasil

P.S. A Editora do Brasil publicou, em parceira com Francisco Vilachã, outra obra em quadrinhos: Missa do galo e outros contos de Machado de Assis. Estou ansiosa para ler!

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.