Mobilidade permitindo estudo em qualquer lugar via celular ou tablet

“Apenas 42,6% das escolas públicas de Ensino Fundamental têm acesso à internet e 55,9% delas ainda não possuem laboratório de informática, segundo o último resumo técnico do Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), de 2011.”
Todos para educação

Falamos muito aqui sobre educação e acesso às novas tecnologias nas escolas, não é mesmo? Como podem ver nos dados acima, embora nos pareça que a inclusão digital caminha a passos largos no Brasil, ainda há muito o que fazer. Embora existam programas nacionais – o MEC tem o Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo) voltado para a disseminação da tecnologia pedagógica na rede pública de ensino – a responsabilidade de garantir a estrutura adequada para os equipamentos é das redes municipais e estaduais. Mas todos sabemos que não adianta oferecer ferramentas sem preparar os profissionais da educação para lidar com elas, nem inserir espaços para uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) no cotidiano da sala de aula sem que os alunos sejam incentivados a fazer uso construção deles.

Segundo análise do Comitê Gestor da Internet em 650 estabelecimentos educacionais durante o ano de 2011 (sendo 497 escolas públicas), 94% dos professores observados possuíam computador em casa. Nem precisamos falar que a maioria das crianças vive a mesma situação, com bons equipamentos em casa. Então por que quando eles se encontram na escola não conseguem fazer as novas tecnologias funcionarem a favor dos seus trabalhos e objetivos comuns?

Creio que faltam diretrizes, caminhos que possam ser tomados em comum por alunos e professores, espaços e ferramentas boas o suficiente para atrair não só estes dois personagens importantes da educação, mas também as famílias, que são a outra “ponta” desta parceria vital para o crescimento do nosso país e a consolidação dos avanços da nossa sociedade.

Por isso gostei quando soube de plataformas como as que conto aqui hoje e que me agradaram porque atendem aos três personagens principais da nossa história (pais, filhos e professores) e cada um deles poderá optar por sua plataforma favorita, pois funcionam bem (e a preços módicos) em tablets, smartphones ou no computador. Pena que sejam exclusividade de uma operadora de celular, mas, admito, chega a dar vontade de mudar de operadora ao ver!

Ideias como as que cito abaixo são boas para garantir a formação continuada de pais e professores e garantir o interesse dos estudantes graças à plataforma multimídia e diversificada.

  • Nuvem de Livros: biblioteca online com mais de seis mil títulos de conteúdo, traz e-books para serem lidos nos celulares mediante assinatura mensal (com gratuidade na primeira semana), usando a plataforma de celulares e tablets Android, com custos de R$1,99 a R$6,90 por mês. A curadoria das obras (escolha dos títulos) é do escritor Antônio Torres, que reuniu todos os gêneros literários, biografias, crônicas, poesia, atlas, enciclopédias, dicionários, entre outros. Há obras das principais editoras do País, como Moderna, Nova Fronteira, Melhoramentos, Garamond, Ediouro, Fundação Roberto Marinho, Instituto Tomie Ohtake, Canal Futura, Barsa Planeta, SESI, entre outros importantes provedores e produtores de conteúdo. No acervo, obras de autores de destaque estão à disposição dos clientes, como Ariano Suassuna, Eça de Queirós, Machado de Assis, Monteiro Lobato, Oscar Wilde e Shakespeare.
  • Conteúdos multimídia: lembram-se das videoaulas do telecurso? Elas me ajudaram muito a reforçar conteúdos durante o café da manhã quando era estudante. Duas iniciativas da Fundação Roberto Marinho – Novo Telecurso e Tecendo o Saber – voltadas para os ensinos fundamental e médio, estão disponíveis para o público, assim como audiolivros que incluem títulos campeões em vendas, como “1822”, “Alô, Chics!”, “50 Anos e Mil” (biografia do músico Lobão). O acervo também conta com entrevistas exclusivas com escritores como Moacyr Scliar, Ruy Castro, Ignácio de Loyola Brandão, além de audiolivros e audiocursos.
  • Português com o Professor Pasquale: quem não se lembra do professor que ensinava português de um jeito lúdico e simpático na TV Cultura? Aprendi muito com ele e meu filho #aos12 também se lembra do professor nos intervalos de programas infantis da emissora. O serviço por SMS promete melhorar o conhecimento da língua portuguesa – e dizem que em um mês de oferta já conta com mais de cem mil clientes. Com ele o consumidor tem acesso a conteúdos que ajudam a esclarecer as dúvidas mais comuns do nosso idioma, em conteúdos sobre acentuação, vírgula e pontuação, conjugação dos verbos, concordância verbal e nominal, crase. O interessante é que todo o histórico do usuário é armazenado na internet e o ciclo seguinte é definido com base nas principais dúvidas do usuário, permitindo, assim, que cada cliente seja atendido em suas dificuldades de forma personalizada. Além disso, o usuário tem à disposição um conteúdo mais aprofundado, disponível na internet no formato de fascículos virtuais.
  • Kantoo: promete ensinar idiomas através do celular, um sistema desenvolvido especialmente para o mercado brasileiro, oferece os idiomas inglês e espanhol por meio de SMS, voz e web, aproveitando a facilidade de aplicativos móveis e garantindo a possibilidade de estudar em qualquer lugar, pelo computador ou celular. Como nos outros serviços, os preços são bem em conta e uma chance para quem quer dar um upgrade na vida!

 

P.S. Sei que muita gente vai dizer, como eu fazia até pouco tempo atrás, que ler um livro em tela é ruim e cansativo, além de perder o jeito romântico da leitura no papel que tem as páginas virando enquanto lê a obra, a possibilidade de marcar trechos, fazer anotações, adicionar marcadores e copiar passagens. Tudo isso pode ser feito no leitor digital com uma vantagem enorme: tudo estará à sua mão quando precisar. Eu me rendi de vez aos e-books, estou apaixonada e não sei se voltarei a comprar livros impressos para mim.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook